Encontrada mensagem em garrafa com 132 anos

Casal australiano encontrou na praia uma garrafa de gin com uma mensagem, enviada ao mar em 1886 a partir de um navio alemão

É a mais antiga mensagem numa garrafa de que há registo, superando o anterior recorde que tinha 108 anos. Kym e Tonya Illman, um casal de fotógrafos australianos, encontrou em janeiro uma garrafa de gin, numa praia perto da sua residência no oeste daquele país, que se confirmou entretanto ter sido lançada ao mar por um navio alemão, em 1886, tendo percorrido mais de 900 quilómetros.

A mensagem, cuja autenticidade já foi confirmada pelo Observatório Naval da Alemanha, continha datas e coordenadas, tendo sido lançada pelo veleiro alemão Paula, como parte de um projeto científico destinado a estudar as correntes. Na altura a embarcação navegava no Oceano Índico, a 950 quilómetros de distância do local onde a mensagem viria a ser encontrada 132 anos depois.

Nessa missão científica foram enviadas milhares de garrafas com mensagens, tendo até agora - já contando com este achado - sido recuperadas 663.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.