Dizem que este anúncio é sexista

Slogan dos anúncios dizia: "Se eu começar a parecer sexy, chama um táxi"

Uma empresa de táxis britânica está a ser acusada de sexismo por ter feito uma campanha publicitária em que mostrava uma mulher obesa com o dedo na boca e o slogan: "Se eu começar a parecer sexy, chama um táxi. Não tomes más decisões porque bebeste demasiado".

A campanha da City Fox Taxis, empresa com sede em Bristol, incluía também uma imagem de um homem com uma cerveja na mão e uma rosa tatuada no ombro, com o mesmo slogan.

"É inaceitável que as empresas usem imagens sexistas e depreciativas, especialmente quando o público-alvo são os mais jovens", afirmou Penny Gane, diretora do grupo Bristol Women's Voice, segundo o Bristol Post.

"Imagens como estas são antiquadas e reforçam estereótipos de género prejudiciais e a mensagem de que as mulheres devem ser julgadas pelo aspeto físico e pelo peso e idade", continuou Gane.

A City Fox Taxis garantiu que o objetivo da empresa era promover a segurança e incentivar os jovens a não conduzirem alcoolizados e não pediu desculpas pelos anúncios, que entretanto foram retirados.

"Como um dos maiores serviços de táxis do oeste do país, vemos várias vezes os efeitos que o consumo excessivo de álcool pode ter na segurança e bem-estar das pessoas, e as consequências destrutivas para a sociedade quando resulta em comportamentos antissociais", afirmou Sophie Palmer, a diretora de marketing e comunicação da empresa.

"Não pedimos desculpas por termos usado o humor e palavras duras para chamar a atenção para este assunto", continuou Palmer. "Para fazer com que as pessoas pensem nos possíveis efeitos dos seus comportamentos é necessário chamar a sua atenção e provocar uma reação".

"Contudo, nunca foi nossa intenção envergonhar ou ofender e por isso retirámos a campanha", concluiu.

Nas redes sociais, alguns utilizadores criticaram a empresa por não ter pedido desculpas pelos anúncios e disseram que vão deixar de usar os táxis da City Fox.

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.