Empresa comprou terreno para tentar impedir Trump de construir muro

Fabricantes de um popular e irreverente jogo têm um "plano" para "salvar os EUA"

A empresa americana que comercializa o jogo Cards Against Humanity diz ter comprado um terreno na fronteira com o México com a ideia de impedir o Presidente norte-americano de cumprir a sua promessa eleitoral da construção de um muro.

Os responsáveis pelo irreverente jogo asseguram na sua página na Internet ter "um plano" para "salvar os EUA".

A iniciativa tornou-se viral e o vídeo que a anuncia tem mais de 557 mil reproduções na rede de partilha Youtube desde que foi publicado na terça-feira, tendo sido o segundo mais reproduzido desse dia.

O vídeo de 2,42 minutos mostra, utilizando a sátira e o humor negro, imagens "catastróficas" após a eleição de Trump, com pessoas a protestarem e glaciares a derreter.

A empresa explicou que comprou um "terreno desocupado" na fronteira e contratou serviços de advocacia especializados para tornar o processo de expropriação o "mais lento e mais caro possível".

De forma a saldar os custos dos advogados, a empresa pediu donativos e garantiu que durante o primeiro dia os participantes da campanha receberiam um mapa que localiza a terra adquirida.

"Dás-nos 15 dólares (12,7 euros) e nós enviamos seis surpresas que salvam os Estados Unidos diretamente à tua porta", lê-se na sua página na Internet.

Não é a primeira vez que o grupo tem o Presidente norte-americano na mira depois de, em 2016, o cofundador, Max Temkin, ter pago anúncios em diferentes cidades, escritos em árabe, onde se lia "Donald Trump não consegue ler isto, mas de qualquer maneira ele tem medo".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.