Empresa comprou terreno para tentar impedir Trump de construir muro

Fabricantes de um popular e irreverente jogo têm um "plano" para "salvar os EUA"

A empresa americana que comercializa o jogo Cards Against Humanity diz ter comprado um terreno na fronteira com o México com a ideia de impedir o Presidente norte-americano de cumprir a sua promessa eleitoral da construção de um muro.

Os responsáveis pelo irreverente jogo asseguram na sua página na Internet ter "um plano" para "salvar os EUA".

A iniciativa tornou-se viral e o vídeo que a anuncia tem mais de 557 mil reproduções na rede de partilha Youtube desde que foi publicado na terça-feira, tendo sido o segundo mais reproduzido desse dia.

O vídeo de 2,42 minutos mostra, utilizando a sátira e o humor negro, imagens "catastróficas" após a eleição de Trump, com pessoas a protestarem e glaciares a derreter.

A empresa explicou que comprou um "terreno desocupado" na fronteira e contratou serviços de advocacia especializados para tornar o processo de expropriação o "mais lento e mais caro possível".

De forma a saldar os custos dos advogados, a empresa pediu donativos e garantiu que durante o primeiro dia os participantes da campanha receberiam um mapa que localiza a terra adquirida.

"Dás-nos 15 dólares (12,7 euros) e nós enviamos seis surpresas que salvam os Estados Unidos diretamente à tua porta", lê-se na sua página na Internet.

Não é a primeira vez que o grupo tem o Presidente norte-americano na mira depois de, em 2016, o cofundador, Max Temkin, ter pago anúncios em diferentes cidades, escritos em árabe, onde se lia "Donald Trump não consegue ler isto, mas de qualquer maneira ele tem medo".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...