Empregados espancados por ficarem abaixo das expetativas

Imagens de uma ação de formação foram divulgadas. Presidente do banco já foi suspenso

Oito funcionários de um banco da província de Shanxi, na China, foram espancados com um bastão por terem ficado abaixo das expetativas. A divulgação das imagens, que se tornaram virais, já levou a demissões e à abertura de um inquérito.

O episódio aconteceu durante uma ação de formação/motivação para cerca de 200 funcionários, que decorreu no sábado passado. Segundo o People's Daily, jornal chinês em língua inglesa, o orador pergunta-lhes porque ficaram tão mal classificados e estes respondem: não tentaram superar-se a si próprios, não colaboraram com os colegas, não tiveram coragem. É então que o orador vai para trás dos funcionários do banco, todos alinhados no palco perante os colegas, e lhes dá com o bastão no rabo. Por quatro vezes, pelo menos.

O vídeo fica por aqui, mas há relatos, de acordo com a BBC, de que mais tarde, o cabelo destes funcionários foram cortados ou rapados, consoante se eram mulheres ou homens, respetivamente.

As imagens foram registadas por alguém que está na sala e foram divulgadas na segunda-feira, tendo já originado a abertura de um inquérito para apurar responsabilidades.

O governador e o presidente do banco já foram suspensos, e o orador já fez um vídeo a desculpar-se pelas bastonadas. Jiang Yang explicou que há anos que usa a técnica e que os responsáveis pelo banco não tiveram influência no uso da mesma.

Agora, está a ser avaliada a possibilidade de estes funcionários receberam uma indemnização.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.