"Em parte incerta", dono da Fosun colabora com a polícia

Guo Guangchang tem investimentos em Portugal e é o 11.º homem mais rico da China.

O multimilionário e presidente do grupo de empresas Fosun, Guo Guangchang, que se encontrava "ausente em parte incerta" e "incontactável" desde a madrugada de quinta-feira, está a colaborar com as autoridades chinesas numa investigação sob possíveis casos de corrupção, que poderiam envolver o próprio ou a multinacional que dirige.

Guo Guangchang, de 48 anos, foi considerado a 11.º pessoa mais rica na China pela revista Forbes, detentor de uma fortuna avaliada em 6,9 mil milhões de dólares (6,2 mil milhões de euros), e desde quinta-feira deixara de atender o telemóvel, segundo nota divulgada pela Fosun. Nesta podia ler-se que o empresário, que gosta de se comparar ao multimilionário americano Warren Buffet, estava "em parte incerta" e "incontactável" por telemóvel. Ontem, num novo comunicado, o grupo de Guo revelava que o empresário estaria em Xangai, onde está a baseado a Fosun, e a "colaborar com as autoridades numa investigação em curso". Insistia-se ainda que o presidente do grupo "continua a participar nas principais decisões através dos meios apropriados".

Um título chinês online, Sohu.com, referia ontem que a investigação estaria relacionada com um antigo responsável da Câmara de Xangai, Ai Baojun, a ser investigado por corrupção desde novembro.

O mesmo comunicado garantia "ser opinião dos diretores da empresa que a presente investigação não constitui qualquer risco material adverso para o grupo nem para a sua situação financeira. As operações decorrem de forma normal". As ações da Fosun e das empresas em que esta detém participações foram suspensas na bolsa de Hong Kong e nas duas da China continental, Xangai e Shenzhen. Ainda na quinta-feira, as ações da Fosun caíram 11%. Mas foi anunciado que a negociação dos títulos será retomada na segunda-feira.

Desde quinta-feira que circulavam nas redes sociais chinesas rumores de que Guo fora detido pela polícia no aeroporto de Xangai, à chegada de um voo proveniente de Hong Kong. O facto foi também referido pela publicação online Caixin, título de informação económica. Após a divulgação do segundo comunicado, jornalistas da Caixin tentaram contactar Guo por telefone, mas estava desligado. Esta situação e a referência a uma investigação das autoridades levou a especulações de que o cofundador da Fosun seria o mais recente alvo da campanha contra a corrupção prosseguida pelo presidente Xi Jinping desde a chegada ao poder em 2012 (ver pág.6). A confirmar-se esta versão, Guo é o mais importante empresário chinês, até agora, a ser investigado no quadro da campanha.

Desde 2013 que o dirigente da Fosun estaria a ser investigado por corrupção, lembravam ontem diferentes media, sublinhando que aquele sempre negara essas notícias. A Caixin escrevia ontem que, em agosto, um tribunal de Xangai estabelecera que um importante empresário desta cidade, Wang Zongnan, proprietário de uma rede de lojas e supermercados, teria beneficiado a Fosun. Esta e o grupo de Wang teriam estabelecido uma joint venture em 2000. Três anos depois, os pais de Wang adquiriram duas moradias de luxo ao ramo imobiliário da Fosun por um valor inferior em mais de 50% do seu valor de mercado - 2,08 milhões de yuans (cerca de 290 mil euros) em vez de 4,77 milhões de yuans. Posteriormente, ambas as propriedades foram vendidas por 14, milhões de yuans. O ramo imobiliário da Fosun justificou o baixo preço da primeira vez pela conjuntura negativa do setor em 2003. Wang acabou condenado a 18 anos de prisão em agosto.

A Fosun - presente em Portugal através da seguradora Fidelidade, do grupo Luz Saúde e que chegou a apresentar uma proposta para a aquisição do Novo Banco - é detentora a nível internacional, por exemplo, do Club Méditerranée e teve, recentemente, luz verde do Banco Central Europeu para avançar com a aquisição do grupo financeiro BHF Kleinwort Benson, baseado na Bélgica e cotado na Euronext.

Desde o início da campanha anticorrupção de Xi, mais de dez outros importantes empresários ou altos dirigentes empresariais desapareceram do olhar público para ser anunciada, posteriormente, a sua detenção ou, nalguns casos, estarem até hoje em parte incerta. Houve ainda, pelo menos, um caso de um destes detidos ter sido libertado ao fim de alguns meses sem lhe ser deduzida qualquer acusação.

Esta forma de detenção aplica-se particularmente às pessoas que não são membro do Partido Comunista Chinês, embora o seja também em algumas circunstâncias para membros e dirigentes do partido. As pessoas podem ser detidas mesmo que não sejam elas o alvo direto da investigação.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.