"Em 2020 Trump pode já nem ser um homem livre", avisa Warren

A senadora do Massachusetts, que no fim de semana anunciou oficialmente a candidatura à nomeação democrata para as presidenciais de 2020, aproveitou o primeiro dia de campanha para atacar o presidente e os seus problemas com a justiça

"Quando chegarmos a 2020, Donald Trump pode já nem ser presidente", alertou Elizabeth Warren num comício em Cedar Rapids. A senadora do Massachusetts anunciou a candidatura à nomeação democrata para as presidenciais de 2020 no fim de semana e aproveitou logo a sua primeira ação de campanha para atacar o presidente republicano.

"Na verdade, ele pode já nem ser um homem livre", acrescentou a senadora de 69 anos, famosa pelas suas políticas liberais. Até agora, Warren tinha mantido um tom cauteloso no momento de criticar Donald Trump, mas agora que entrou oficialmente na - muito concorrida - corrida à nomeação democrata, as cautelas parecem ter ficado para trás.

Warren, que em 2016 chegou a ser falada para vice de Hillary Clinton, recordou que a investigação à ligação entre o presidente, a sua equipa e a ingerência russa nas últimas presidenciais está a decorrer e o procurador especial Robert Mueller parece estar a apertar cada vez mais o cerco a Trump.

"Vá lá. Quantas investigações há neste momento? Já não é a apenas a investigação de Mueller. Estão por todo o lado e e são investigações sérias, por isso vamos ver o que vai acontecer", afirmou Warren aos jornalistas, citada pela CNN.

Hipótese de impeachment?

Questionada sobre se defende que Trump devia ser alvo de um processo de destituição (o famoso impeachment), Warren sublinhou que em primeiro lugar é preciso ver quais as conclusões a que Mueller chega.

O impeachment voltou a estar em cima da mesa depois de os democratas terem recuperado a maioria na Câmara dos Representantes nas eleições intercalares de novembro. Mas nada garante que tal processo chegasse a bom porto. Afinal, para destituir o presidente são precisos dois terços dos votos do Senado - onde os republicanos até reforçaram a maioria. E se olharmos para a História, vemos que até hoje nenhum presidente foi destituído. Richard Nixon em 1974 demitiu-se antes disso e tanto Bill Clinton em 1998 como Andrew Johnson, na segunda metade do século XIX, viram o Congresso votar a seu favor.

A senadora acusou ainda Trump de ser racista. "Não me parece que haja muitas dúvidas sobre isso", garantiu. E lembrou que a América vive "tempos perigosos" e que "o que acontecer em 2020 vai determinar a direção que a nossa nação, que o nosso povo, vai seguir".

Warren juntou-se no fim de semana a um vasto conjunto de candidatos democratas, sobretudo mulheres. Com Warren são já seis as que anunciaram a intenção de tirar Trump da Casa Branca - Kamala Harris, Tulsi Gabbard,k Kirsten Gillibrand, Marianne Williamson e Amy Clobouchard.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.