Elisa Ferreira congratula-se com pelouro e pede empenho contra ameaças

Elisa Ferreira foi nomeada comissária europeia para a Coesão e Reformas. O executivo comunitário de Ursula von der Leyen tem um número recorde de 13 mulheres (incluindo a própria) e 14 homens. Há oito vice-presidentes.

A comissária europeia portuguesa indigitada Elisa Ferreira congratulou-se esta terça-feira com o pelouro que lhe foi atribuído , a pasta da Coesão e Reformas, e defendeu o empenho de todos contra as "tendências desagregadoras" que "ameaçam" a União Europeia.

O pelouro de Elisa Ferreira foi esta terça-feira conhecido durante uma conferência de imprensa na sede da Comissão Europeia, em Bruxelas, na qual a presidente da Comissão, Ursula Von der Leyen, apresentou os seus 26 comissários e as respetivas pastas.

Elisa Ferreira trabalhará de perto com o vice-presidente executivo Frans Timmermans, que supervisionará o trabalho da comissária da Coesão e Reformas, assim como dos comissários responsáveis pela Agricultura, Saúde, Transportes, Energia e Ambiente e Oceanos. A comissária indigitada afirmou que foi com "a maior honra" que aceitou "o convite do Primeiro-Ministro" para assumir o cargo.

"É igualmente com muita satisfação, e consciente da elevada responsabilidade que me é confiada, que exercerei o pelouro que me foi atribuído para os próximos cinco anos, caso venha, como espero, a ser confirmada no cargo para que fui indigitada", lê-se numa nota enviada à agência Lusa.

Para Elisa Ferreira, "investimento, desenvolvimento económico, coesão territorial, convergência económica e social no quadro da União Económica e Monetária e transição energética são áreas prioritárias da Comissão Europeia", nas quais disse ir colocar toda a "determinação, energia e experiência" adquirida ao longo da sua carreira profissional. "Nunca, como hoje, a União Europeia (UE) precisou tanto do empenhamento de todos contra as tendências desagregadoras que a ameaçam", afirmou.

À presidente da Comissão, Elisa Ferreira manifestou toda a "lealdade" para "defender a UE e torná-la tangível no dia a dia dos seus mais de 500 milhões de cidadãos".

Os comissários designados serão sujeitos a audições no Parlamento Europeu, perante a comissão parlamentar competente, o que deverá acontecer no início de outubro, com a assembleia europeia a pronunciar-se sobre o colégio no seu conjunto numa votação prevista para 22 de outubro, em Estrasburgo. A nova Comissão Europeia deverá entrar em funções em 01 de novembro próximo, depois do necessário aval da assembleia europeia.

Elisa Ferreira, 63 anos, foi ministra dos governos chefiados por António Guterres, primeiro do Ambiente, entre 1995 e 1999, e depois do Planeamento, entre 1999 e 2002, foi eurodeputada entre 2004 e 2016, tendo ocupado desde setembro de 2017 o cargo de vice-governadora do Banco de Portugal.

A futura comissária, a primeira mulher portuguesa a integrar o executivo comunitário desde a adesão de Portugal à comunidade europeia (1986), sucederá a Carlos Moedas, que foi comissário indicado pelo anterior governo PSD/CDS-PP, e que teve a seu cargo a pasta da Investigação, Ciência e Inovação e foi nomeado em novembro de 2014.