Eleições presidenciais com oito candidatos

Vladimir Putin é o favorito com 80% dos votos do eleitorado, segundo as sondagens

A comissão eleitoral russa fechou hoje o registo de candidatos para as eleições presidenciais de 18 de março, anunciando ter admitido oito nomes, incluindo o do favorito à vitória, o Presidente, Vladimir Putin.

Com índices de aprovação entre o eleitorado acima dos 80% e muito à frente dos outros candidatos nas sondagens, Putin deverá ganhar facilmente a eleição para um quarto mandato.

O mais proeminente opositor de Putin, o líder da oposição Alexei Navalny, de 41 anos, foi impedido de concorrer às eleições devido a uma condenação em tribunal que afirmou ter sido politicamente motivada.

Os candidatos às eleições presidenciais russas de 18 de março são:

Vladimir Putin.

O atual chefe de Estado da Rússia, de 65 anos, foi eleito Presidente pela primeira vez no ano 2000. Cumpriu dois mandatos de quatro anos (até 2008) antes de passar para o cargo de primeiro-ministro devido à regra da limitação de mandatos consecutivos.

Nesse interregno de quatro anos, Putin continuou a ser a figura mais influente do país na política e nos negócios, já que na Presidência estava um dos seus mais antigos associados, Dmitry Medvedev.

Antes de ceder novamente a Presidência a Putin, em 2012, Medvedev iniciou alterações constitucionais para alargar o mandato presidencial para seis anos.

Uma vitória de Putin nas eleições de março poderá convertê-lo no líder russo há mais tempo no poder desde Josef Estaline.

O limite legal de dois mandatos presidenciais consecutivos significa que Putin não poderá concorrer outra vez em 2024, mas muitos analistas consideram que, mesmo após essa data, se vai manter à frente dos destinos da Rússia.

Ksenia Sobchak

Aos 36 anos, a apresentadora de televisão Ksenia Sobchak afirma-se como uma escolha para os russos que estão cansados de Putin e dos adversários que também lhe são próximos.

Filha de um dos antigos "padrinhos" de Putin, um presidente de câmara reformista de São Petersburgo, Ksenia tem vindo a atacar as políticas do Kremlin, mas evitando fazer críticas pessoais a Putin.

Os observadores ouvidos pela agência Associated Press indicam que a entrada de Sobchak na corrida ajudará a combater a apatia dos eleitores e aumentará a participação, contribuindo para que a (mais do que previsível) vitória de Putin pareça ainda mais impressionante.

Outros analistas consideram que Ksenia poderá dividir as intenções de voto entre a oposição, além de poder vir a ajudar o Kremlin a contrariar os apelos de Navalny a um boicote às eleições. Sobchak já negou estar alinhada ou em conluio com o Kremlin.

Pavel Grudinin

Milionário de 57 anos e gestor de uma quinta de morangos, Grudinin foi nomeado pelo Partido Comunista. No entanto, afirma-se abertamente como orgulhoso da sua fortuna e rejeita os mais básicos dogmas do Comunismo.

Até 2010, Grudinin era membro do principal partido do Kremlin, o Rússia Unida. Tem vindo a criticar abertamente o atual sistema político e económico da Rússia, mas também evitou criticar diretamente Putin.

A sua nomeação é vista como uma tentativa dos Comunistas russos para alargar a captação de eleitores além dos tradicionais votantes idosos que sonham com um regresso da União Soviética.

Vladimir Zhirinovsky

O líder do ultranacionalista Partido Liberal Democrático ganhou notoriedade pelos seus comentários xenófobos. Aos 71 anos, Zhirinovsky candidata-se a Presidente da Rússia pela sexta vez.

Apesar da retórica populista e nacionalista, Zhirinovsky tem sido um fiel apoio de Putin e o seu partido tem votado no parlamento em linha com o que o Kremlin precisa. Nas eleições de 2012 conseguiu 6% dos votos.

Grigory Yavlisnky

Perito económico liberal, Yavlisnky concorreu contra Putin em 2000, angariando cerca de 6% dos votos. O especialista, de 65 anos, tem vindo a denunciar as políticas do Kremlin e critica frequentemente Putin, apelando a uma maior liberdade política e um rumo económico mais liberal. A sua base eleitoral é relativamente pequena: eleitores de meia-idade com uma visão liberal da economia e da política, sobretudo nas grandes cidades russas.

Boris Titov

Antigo empresário na área dos químicos e fertilizantes, Titov (57 anos) concorre às presidenciais pela primeira vez, nomeado por um partido pró-negócio, o Partido do Crescimento. As suas propostas passam por criar um ambiente de negócios mais favorável ao crescimento.

No entanto, Titov tem grandes ligações a Putin, que o nomeou para Comissário Presidencial para os Direitos dos Empreendedores.

Sergei Baburin

Especialista em assuntos legais de 59 anos, Baburin desempenhou um papel relevante na política da Rússia nos anos 1990, opondo-se à fragmentação da União Soviética em 1991 e tornando-se um dos líderes da revolta no parlamento contra o Presidente Boris Yeltsin, em 1993. Cumpriu vários mandatos no parlamento e foi adjunto do presidente da mesa da câmara baixa nos anos 1990 e 2000. Após ter falhado a eleição para o parlamento em 2007, abandonou a política e tornou-se reitor de uma das universidades de Moscovo. Foi nomeado candidato por um partido nacionalista.

Maxim Suraikin

Nomeado pelos Comunistas da Rússia, uma fação que se considera alternativa ao histórico Partido Comunista, Suraikin tem 39 anos e formação em Engenharia. Também geriu uma pequena empresa de computadores. Em 2014 candidatou-se ao cargo de governador da região de Nizhny Novgorod, conseguindo apenas 2% dos votos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".