Eleições na Rússia marcadas para o dia 18 de março

Na semana passada, Vladimir Putin anunciou a sua recandidatura como independente.

As próximas eleições presidenciais na Rússia foram marcadas para o dia 18 de março de 2018, noticiou esta sexta-feira a agência Tass, citada pela CNN.

A decisão foi tomada pela câmara alta do parlamento russo (Conselho da Federação).

Vladimir Putin, o favorito ao lugar, anunciou há uma semana a sua recandidatura como candidato independente, ao falar na tradicional conferência de imprensa anual no Kremlin.

"Irei como independente, mas confio no apoio das forças políticas, dos partidos e das organizações sociais que partilham a minha visão sobre o desenvolvimento do país", disse o chefe de Estado russo, durante a tradicional conferência de imprensa anual no Kremlin.

"E, em geral, espero contar com um amplo apoio popular", acrescentou, salientando que, se for reeleito, vai modernizar a economia russa, uma vez que defende uma Rússia "virada para o futuro", através de uma economia "mais flexível" e com uma "eficiência aumentada".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Tempo de fugir de casa para regressar à terra

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.