Eleições em Myanmar dão vitória a partido da oposição de Suu Kyi

A Liga Nacional para a Democracia conquistou mais de 70 por cento dos assentos

A Liga Nacional para a Democracia, o maior partido da oposição em Myanmar, liderado por Aung San Suu Kyi, reivindicou hoje vitória nas eleições legislativas de domingo, com a conquista de "mais de 70% dos assentos".

"Estamos a ganhar com mais de 70% dos assentos em todo o país. Mas a comissão eleitoral ainda não confirmou oficialmente os resultados", declarou o porta-voz do partido, Win Htein, à agência AFP. A líder da oposição de Myanmar, Aung San Suu Kyi, mostrou-se hoje confiante, mas apelou aos seus partidários para que tenham paciência, considerando ser prematuro celebrar vitória.

"É muito cedo" para felicitar os candidatos da LND, afirmou a Nobel da Paz, a partir da varanda da sede do partido, em Rangum. Suu Kyi afirmou, porém, esboçando um sorriso: "As pessoas têm uma ideia do resultado mesmo que eu não o diga".

Resultados preliminares oficiais são esperados ainda durante o dia de hoje.

Cerca de 35 milhões de eleitores foram chamados a ir às urnas no domingo para eleger os deputados do parlamento regional e nacional, que tomam posse em janeiro de 2016, sendo que, entre um a dois meses depois, a assembleia legislativa vai eleger o chefe de Estado para um mandato de cinco anos.

Mais de 6.000 candidatos de mais de 90 partidos participaram nas eleições, as quais contaram com mais de 10 mil observadores locais e estrangeiros.

A Constituição de 2008 reserva ao Exército a capacidade de designar 25% dos deputados nas duas câmaras do parlamento nacional e de propor a lista de candidatos para os Ministérios do Interior, Defesa e Fronteiras.

Várias ONG, como a Human Rights Watch, denunciaram a exclusão de mais de meio milhão de cidadãos da etnia rohingya, aos quais as autoridades retiraram o direito de voto, assim como a desqualificação de dezenas de candidatos também muçulmanos.

Ler mais

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".