Elefante mata turista espanhol num parque natural da Etiópia

Espanhol terá morrido depois o elefante ir contra ele e o atravessar com as presas

Um turista espanhol morreu na semana passada no parque natural de Chebera-Churchura, no sul da Etiópia, depois de ser atacado por um elefante. Segundo o El País, o Governo espanhol confirmou a morte do turista este domingo, que de acordo com os relatos de testemunhas terá morrido depois de o elefante ir contra ele e o atravessar com as presas.

Escreve o jornal espanhol que o parque natural em que o turista morreu é considerado um dos melhores lugares na Etiópia para observar elefantes, búfalos e outros mamíferos de grandes dimensões.

A embaixada de Adis Abeba em Espanha está a coordenar a translação do corpo e estará já em contacto com os familiares do turista falecido.

Não é a primeira vez que um turista espanhol morre atacado por animais selvagens: em 2009, uma mulher morreu na Zâmbia depois de ser atacada por um elefante: estava com quatro amigas a fazer uma caminhada com os guias locais quando uma manada de elefantes atacou o grupo e a espanhola não conseguiu escapar.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.