E se descobrisse um tesouro no valor de 44 mil euros no seu jardim?

Um casal norte-americano descobriu um cofre com dinheiro, ouro e diamantes no quintal da casa

Durante anos pensavam que aquele pedaço de metal enferrujado no jardim de casa era uma caixa de eletricidade, mas Matthew e Maria Colonna-Emanuel não podiam estar mais enganados.

O casal de Staten Island, nos EUA, encontrou um tesouro no quintal no valor de 52 mil dólares (cerca de 44 mil euros). A caixa de metal enferrujada era, afinal, um cofre bem recheado.

"Centenas de joias, diamantes, anel de noivado. Dezenas de anéis, ouro. Foi impressionante", recordou Matthew ao canal de TV CBS New York. "É um sonho de criança encontrar um tesouro enterrado e aconteceu. Foi inacreditável", acrescentou.

Durante anos, o casal nunca prestou muita atenção ao objeto no seu quintal, que julgavam ser uma caixa elétrica. Depois de um veado comer as folhas das árvores, a misteriosa caixa enferrujada começou a destacar-se no jardim.

Desenterraram o tesouro e foram surpreendidos quando viram o que a caixa tinha. Além do dinheiro molhado e das joias em sacos de plásticos, os Emanuel encontraram um papel com a morada que correspondia à dos vizinhos.

"Bati à porta e perguntei se tinham sido roubados e disseram que sim", contou Matthew. A história foi confirmada pelo Departamento de Polícia de Nova Iorque, segundo o qual a casa dos vizinhos foi alvo de um assalto, em 2011, tendo sido levado um cofre, cujo conteúdo valia 52 mil dólares.

Na altura, os agentes da polícia disseram que eles nunca iriam voltar a ver o cofre. Também não podiam estar mais enganados.

É que apesar de descobrirem o tesouro, o casal de Staten Island não ficou com ele. "Isso nunca foi uma opção. Não era nosso", afirmou a mulher de Matthew.

Oito anos após o assalto, os vizinhos nem queriam acreditar quando Matthew lhes disse que tinham encontrado o cofre no quintal. De acordo com Matthew, o vizinho ficou a tremer quando lhe deu a surpreendente notícia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.