E se descobrisse um tesouro no valor de 44 mil euros no seu jardim?

Um casal norte-americano descobriu um cofre com dinheiro, ouro e diamantes no quintal da casa

Durante anos pensavam que aquele pedaço de metal enferrujado no jardim de casa era uma caixa de eletricidade, mas Matthew e Maria Colonna-Emanuel não podiam estar mais enganados.

O casal de Staten Island, nos EUA, encontrou um tesouro no quintal no valor de 52 mil dólares (cerca de 44 mil euros). A caixa de metal enferrujada era, afinal, um cofre bem recheado.

"Centenas de joias, diamantes, anel de noivado. Dezenas de anéis, ouro. Foi impressionante", recordou Matthew ao canal de TV CBS New York. "É um sonho de criança encontrar um tesouro enterrado e aconteceu. Foi inacreditável", acrescentou.

Durante anos, o casal nunca prestou muita atenção ao objeto no seu quintal, que julgavam ser uma caixa elétrica. Depois de um veado comer as folhas das árvores, a misteriosa caixa enferrujada começou a destacar-se no jardim.

Desenterraram o tesouro e foram surpreendidos quando viram o que a caixa tinha. Além do dinheiro molhado e das joias em sacos de plásticos, os Emanuel encontraram um papel com a morada que correspondia à dos vizinhos.

"Bati à porta e perguntei se tinham sido roubados e disseram que sim", contou Matthew. A história foi confirmada pelo Departamento de Polícia de Nova Iorque, segundo o qual a casa dos vizinhos foi alvo de um assalto, em 2011, tendo sido levado um cofre, cujo conteúdo valia 52 mil dólares.

Na altura, os agentes da polícia disseram que eles nunca iriam voltar a ver o cofre. Também não podiam estar mais enganados.

É que apesar de descobrirem o tesouro, o casal de Staten Island não ficou com ele. "Isso nunca foi uma opção. Não era nosso", afirmou a mulher de Matthew.

Oito anos após o assalto, os vizinhos nem queriam acreditar quando Matthew lhes disse que tinham encontrado o cofre no quintal. De acordo com Matthew, o vizinho ficou a tremer quando lhe deu a surpreendente notícia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.