E-mail prova ligação do Kremlin a encontro de Trump Jr com advogada russa

Donald Trump Jr. foi informado de que o material contra Hillary Clinton que lhe ia ser entregue por uma advogada russa fazia parte do esforço de Vladimir Putin para ajudar o seu pai a ganhar a eleição

É mais um capítulo na história do encontro do filho de Trump com uma advogada russa revelado pelo jornal The New York Times. Afinal, há um e-mail a provar que Donald Trump Jr. sabia muito bem ao que ia quando decidiu comparecer no encontro com a advogada russa Natalia Veselnitskaya em junho de 2016, na Trump Tower. O relações públicas Rob Goldstone, que providenciou o encontro, informou Trump Jr. de que o material contra Hillary Clinton que ia ser oferecido pela advogada russa era parte do esforço do Kremlin para ajudar o seu pai a vencer a eleição presidencial, segundo a notícia do jornal norte-americano.

Três pessoas com conhecimento do e-mail enviado por Goldstone disseram que este indicava que o governo russo era a fonte de informação prejudicial contra Hillary Clinton. Mas nesse e-mail não havia menção a um esforço mais abrangente de Vladimir Putin para influenciar a eleição presidencial norte-americana, nem a qualquer ligação ao ataque informático ao Partido Democrata, que viria a acontecer uma semana depois do encontro de Trump Jr. com a advogada russa.

Trump Jr. já tinha admitido ter-se encontrado com a advogada russa, numa reunião em que também esteve o marido de Ivanka, Jared Kushner, atual conselheiro de Trump, e o então diretor de campanha do candidato republicano, Paul Manafort. Estes dois últimos revelaram recentemente a existência do encontro, mas não o que foi discutido, segundo documentos governamentais secretos aos quais o The New York Times teve acesso. Donald Jr., que assumiu junto com o irmão Eric os negócios do pai, não tem cargos na administração, pelo que não precisa de revelar os contactos estrangeiros que manteve.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.