O primeiro debate entre candidatos no Brasil (vídeo)

Oito dos concorrentes ao Planalto reúnem-se na Band para uma longa e complexa troca de ideias. Ausente, o PT promete roubar audiências com transmissão própria

Como sempre desde o regresso das eleições diretas democráticas, em 1988, a TV Bandeirantes (Band) vai ser a sede do primeiro debate entre candidatos ao Palácio do Planalto. Nesta madrugada (a partir das 02:00 em Portugal), oito dos concorrentes trocarão ideias numa longa sessão dividida em cinco blocos com direito a perguntas dos jornalistas do canal, do público e dos rivais. Mesmo ausente, o candidato do PT Lula da Silva, que lidera as sondagens que incluem o seu nome mas está detido numa prisão de Curitiba, promete ser protagonista.

A Band convidou para o programa mediado por Ricardo Boechat, um dos âncoras (pivôs) mais respeitados do país, Álvaro Dias (Podemos), Cabo Daciolo (Patriotas), Geraldo Alckmin (PSDB), Marina Silva (Rede), Jair Bolsonaro (PSL), Guilherme Boulos (PSOL), Henrique Meirelles (MDB) e Ciro Gomes (PDT). "É o tiro de partida, o debate não se esgota em si mesmo, vai reproduzir-se ao longo da campanha", disse Fernando Mitre, diretor de jornalismo da emissora.

Siga aqui o debate em direto:

Fernando Haddad, candidato a vice-presidente pelo PT, solicitou à justiça eleitoral que Lula participe. Caso não seja autorizado, pediu à Band para colocar uma cadeira vazia com o seu nome. E anunciou, de qualquer forma, a transmissão pela internet de "um debate programático", com a presença dele, da candidata a vice caso Lula seja impedido, Manuela D'Ávila, e perguntas de bloggers. "E vamos ganhar em audiência", afirmou o ex-prefeito de São Paulo.

Perguntas e respostas

No debate da Band, os candidatos respondem primeiro a perguntas de leitores do jornal Metro. Em seguida começam a questionar-se uns aos outros, pertencendo ao líder do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto Guilherme Boulos, do PSOL, a primeira pergunta. Henrique Meirelles, do MDB, ministro das finanças do governo de Michel Temer, será o último a interpelar um adversário.

No segundo e no quarto blocos do programa, caberá aos jornalista da Band fazer as perguntas. No terceiro, os concorrentes voltam a questionar-se uns aos outros. E no último há lugar a declarações finais - começando por Ciro Gomes e terminando em Meirelles.

Pelo meio, pode haver réplicas e tréplicas e, eventualmente, direitos de resposta de quem se sentir moralmente visado.

São Paulo

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.