Duterte: da comparação a Hitler à visita ao museu do Holocausto

Presidente das Filipinas está numa visita histórica de três dias a Israel, um importante fornecedor de material de defesa do seu país.

"Hitler massacrou três milhões de judeus. Bom, há três milhões de drogados [nas Filipinas]. Ficaria feliz de os massacrar", disse Rodrigo Duterte em setembro de 2016, três meses depois de tomar posse como presidente das Filipinas. Hoje, dois anos depois, está em Israel e visitou esta segunda-feira à tarde o memorial Yad Vashem, dedicado às vítimas do Holocausto.

"Nunca mais. Que o mundo aprenda as lições deste período terrível e ignorado da história humana. Que os corações dos povos em todo o mundo permaneçam sempre abertos. E que as mentes de todos os homens e mulheres aprendam a trabalhar juntos para garantir um refúgio seguro para todos os que estão a ser perseguidos", escreveu Duterte no livro de visitantes do museu.

Apesar de Duterte ter pedido desculpas as judeus pelo comentário em que se equiparava a Hiteler, a sua presença no museu do Holocausto gera polémica em Israel. "Um admirador de Hitler no Yad Vashem", lia-se no editorial do jornal de esquerda Haaretz. "Israel prova, mas uma vez, que está disponível para ignorar as violações dos direitos humanos pela oportunidade de vender armas e assinar contratos de defesa", refere o texto.

Só no ano passado, a indústria de defesa e segurança de Israel exportou um total de 9200 milhões de euros em armas, sendo que cerca de 60% vão para a região da Ásia-Pacífico. Nesse mesmo ano, Manila comprou 21 milhões de dólares (18 milhões de euros) em equipamentos antitanque e sistemas de radar a Israel

"Esta visita é de grande importância" e "simboliza as fortes e calorosas relações entre os nossos dois povos", afirmou em comunicado o ministério dos Negócios Estrangeiros de Israel. As Filipinas acolheram um milhão de judeus que fugiram do Holocausto e votaram, em 1947, a favor da resolução das Nações Unidas sobre a criação do Estado de Israel (foi o único país asiático a fazê-lo).

"Lembramos os nossos amigos e essa amizade floresceu ao longo dos anos e especialmente nos últimos anos", disse o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, após o encontro com Duterte.

O presidente filipino, por sua vez, defendeu que Israel e as Filipinas "partilham a mesma paixão pela paz. Partilhamos a mesma paixão pelos seres humanos. Mas também partilhamos a mesma paixão por não deixar que uma família seja destruída por aqueles que têm ideologias corruptas".

Segundo os media israelitas, Duterte estava a referir-se às críticas à forma como tem lidado com o problema das drogas no seu país. As organizações de defesa dos direitos humanos acusam-no de inúmeras "execuções" na sua "guerra às drogas", que já fez milhares de mortos.

À porta fechada

Duterte, de 73 anos, está numa visita oficial (não de Estado), a primeira de um presidente das Filipinas a Israel. A oposição ao governo de Benjamin Netanyahu, assim como os defensores dos direitos humanos, criticam a visita de três dias do Duterte, que tem o hábito de usar linguagem forte e insultuosa. Talvez por isso, a maioria dos eventos durante a sua viagem são à porta fechada.

Mesmo antes de partir para Israel, Duterte voltou a causar polémica, dizendo que o aumento dos casos de violações e agressões sexuais em Davao se deve ao facto de a cidade (onde foi autarca durante mais de duas décadas) ter "muitas mulheres bonitas".

Num evento para trabalhadores filipinos, fechado aos media israelitas mas não aos jornalistas que viajaram com ele desde Manila, Duterte terá defendido as suas declarações polémicas sobre violações. Segundo a jornalista Pia Gutierrez, do canal filipino ABS-CBN News, Duterte disse que era uma piada, dizendo que tinha direito a fazê-la devido à liberdade de expressão e a democracia. Segundo os jornalistas presentes, os assessores de Duterte terão também tentado que este contivesse a sua linguagem.

Atualizado às 16.30 com a mensagem de Duterte no livro de visitantes do museu

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)