Duas mulheres detidas na sequência de atentado de sábado em Paris

O ataque de sábado resultou na morte de um jovem de 29 anos e causou quatro feridos na zona da Ópera de Paris

Duas mulheres foram detidas hoje na região de Paris, no âmbito do inquérito sobre o atentado jihadista com recurso a uma faca e que resultou num morto no sábado, anunciou o procurador de Paris, François Molins.

As duas mulheres são próximas de Khazat Azimov, o autor do ataque, segundo o mesmo procurador.

Uma das mulheres, radicalizada aos 19 anos, casou-se religiosamente com Abdoul Hakim, um dos amigos de Khazat Azimov, antes de tentar partir para a Síria, adianta a Agence France-Press, citando fonte próxima do inquérito.

O ataque de sábado resultou na morte de um jovem de 29 anos e causou quatro feridos na zona da Ópera de Paris, no centro da capital francesa.

Pouco antes das 21:00 locais (20:00 em Lisboa), um homem esfaqueou peões indiscriminadamente e gritou "Allah Akbar" (Alá é grande) na rua Monsigny, entre as movimentadas zonas da Ópera de Paris.

O agressor foi abatido pela polícia, minutos depois, na mesma zona.

O Estado Islâmico (EI) assumiu a ação num breve comunicado difundido pela agência Amaq, próxima do grupo terrorista, cuja autenticidade não pôde ser confirmada, e no qual assegura que o atentado foi praticado por "um soldado do Estado Islâmico".

Fontes próximas do inquérito, citadas pela AFP, afirmaram que o francês nascido na Chechénia estava classificado com uma ficha "S" (para segurança do Estado).

Não tinha antecedentes criminais, mas figurava nos ficheiros dos serviços secretos que incluem mais de 10.000 pessoas, entre as quais radicais islâmicos e com ligações a movimentos terroristas, bem como 'hooligans' e membros de grupos da esquerda radical ou da extrema-direita.

Ler mais

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.