Estado Islâmico reivindica atentados. Há 34 mortos e mais de 187 feridos

Governo belga teme que haja "cúmplices" a monte. Bélgica está em alerta máximo. Bombas explodiram no aeroporto e no metro

A cidade de Bruxelas foi esta manhã abalada por várias explosões já reivindicadas pelo grupo Estado Islâmico: pelo menos 34 pessoas morreram e 187 ficaram feridas nos atentados de hoje em Bruxelas, segundo um novo balanço provisório das autoridades.

Duas explosões atingiram o aeroporto de Zaventem e fizeram pelo menos 14 mortos e 81 feridos, confirmados pela ministra da saúde, Maggie de Block. Uma terceira explosão foi registada cerca de uma hora depois numa estação de metro, em Maelbeek, matando pelo menos 20 pessoas, segundo confirmou a operadora de transportes públicos de Bruxelas, a STIB. Mais de 100 terão ficado feridas, segundo o presidente da Câmara de Bruxelas, Yvan Mayeur. Este segundo ataque aconteceu perto das instituições europeias, obrigando a fechar toda a rede do metropolitano.

O grupo Estado Islâmico já reivindicou os atentados desta manhã em Bruxelas, num comunicado enviado através da agência A'maq. "Combatentes do Estado Islâmico levaram a cabo uma série de atentados com cintos e outros engenhos explosivos na terça-feira, visando um aeroporto e uma estação de metro central no centro da capital belga Bruxelas", disse a agência A'maq, citada pela Reuters.

Notícia em atualização. Siga em direto:

Na sequência das explosões, o ministro do Interior belga já elevou o nível de ameaça terrorista do três para o quatro, o máximo. O plano de catástrofe regional para Bruxelas também foi acionado, escreve o Le Soir. Aliás, a capital belga está praticamente paralisada, com metro e comboio parados - as instituições europeias estão em lockdown e as autoridades pedem a todos para não saírem do local onde se encontram e até para não fazerem chamadas de telemóvel a não ser em caso de urgência.

Aeroporto e todo o sistema de metro foram evacuados

A primeira explosão aconteceu na zona de partidas pelas 08:00 (07:00 em Lisboa), seguida de uma segunda detonação. Segundo a agência de notícias Belga, ouviram-se tiros antes das explosões e gritos em árabe.

O aeroporto de Bruxelas partilhou no Twitter um número de telefone de emergência para as famílias e amigos de pessoas que possam ter estado no aeroporto à hora da explosão.

Vídeos captados no local mostram as pessoas a fugir logo após a explosão e o fumo a sair do terminal:

Imagens no portal da emissora pública RTBF mostram fumo a sair do edifício do terminal, onde as janelas foram quebradas. Pelo menos uma das explosões ocorreu na zona do check-in, nas partidas. Segundo o porta-voz da TAP, António Monteiro, a zona da companhia aérea portuguesa não foi afetada.

O espaço foi evacuado e o aeroporto foi fechado, com todos os voos cancelados. A administração do aeroporto pede a todos os que tinham voos marcados para não se dirigirem para o local.

Também o sistema de metro de Bruxelas foi totalmente encerrado e evacuado após a explosão na estação de Maelbeek, perto das instituições europeias no centro da capital belga. É possível ver, num vídeo publicado no Twitter, o fumo a sair da entrada da estação.

Pelo menos algumas das carruagens com passageiros que circulavam nas linhas de metro de Bruxelas foram evacuadas dentro dos túneis, com os passageiros a serem escoltados pelos carris.

As explosões acontecem dias após a detenção, em Bruxelas, na sexta-feira, de Salah Abdeslam, o principal suspeito dos ataques terroristas em Paris no ano passado, que mataram 130 pessoas, em novembro.