Coreia do Norte promete suspender testes nucleares

Ficou acordado a realização de uma cimeira entre as duas Coreias para o final de abril

As duas Coreias acordaram realizar uma cimeira na sua fronteira no final de abril, anunciou hoje um emissário sul-coreano após se ter encontrado com o líder norte-coreano Kim Jong-un em Pyongyang.

A cimeira realizar-se-á na localidade de Panmunjom, no meio da zona desmilitarizada (DMZ) que separa a Coreia do Norte da Coreia do Sul, declarou o emissário Chung Eui-yong, que é conselheiro para a segurança do presidente Moon Jae-in.

As Coreias também acordaram abrir uma linha de comunicação de emergência entre os seus dirigentes e a cimeira será precedida de uma conversa telefónica entre Kim Jong-un e Moon Jae-in, precisou.

Segundo Chung Eui-yong, a Coreia do Norte prometeu suspender os seus ensaios nucleares e de mísseis enquanto durar o diálogo inter-coreano.

Coreia do Norte expressou a vontade de se desnuclearizar desde que a segurança do país seja garantida.

Esta será a terceira cimeira entre os dirigentes dos dois países desde o final da guerra da Coreia (1950-1953), tendo as anteriores ocorrido em 2000 e 2007.

Chung e os diplomatas sul-coreanos que o acompanharam a Pyongyang são os mais altos responsáveis do Sul a deslocarem-se à Coreia do Norte nos últimos 10 anos.

A visita ocorre após uma notável aproximação ocasionada pelos Jogos Olímpicos de Pyeongchang.

O encontro dos emissários com Kim Jong-un durou mais de quatro horas e a equipa do Sul deve partir na quarta-feira para Washington, para dar informações sobre a visita.

Ler mais

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".