Coreia do Norte promete suspender testes nucleares

Ficou acordado a realização de uma cimeira entre as duas Coreias para o final de abril

As duas Coreias acordaram realizar uma cimeira na sua fronteira no final de abril, anunciou hoje um emissário sul-coreano após se ter encontrado com o líder norte-coreano Kim Jong-un em Pyongyang.

A cimeira realizar-se-á na localidade de Panmunjom, no meio da zona desmilitarizada (DMZ) que separa a Coreia do Norte da Coreia do Sul, declarou o emissário Chung Eui-yong, que é conselheiro para a segurança do presidente Moon Jae-in.

As Coreias também acordaram abrir uma linha de comunicação de emergência entre os seus dirigentes e a cimeira será precedida de uma conversa telefónica entre Kim Jong-un e Moon Jae-in, precisou.

Segundo Chung Eui-yong, a Coreia do Norte prometeu suspender os seus ensaios nucleares e de mísseis enquanto durar o diálogo inter-coreano.

Coreia do Norte expressou a vontade de se desnuclearizar desde que a segurança do país seja garantida.

Esta será a terceira cimeira entre os dirigentes dos dois países desde o final da guerra da Coreia (1950-1953), tendo as anteriores ocorrido em 2000 e 2007.

Chung e os diplomatas sul-coreanos que o acompanharam a Pyongyang são os mais altos responsáveis do Sul a deslocarem-se à Coreia do Norte nos últimos 10 anos.

A visita ocorre após uma notável aproximação ocasionada pelos Jogos Olímpicos de Pyeongchang.

O encontro dos emissários com Kim Jong-un durou mais de quatro horas e a equipa do Sul deve partir na quarta-feira para Washington, para dar informações sobre a visita.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...