Drone mostra primeiras imagens de tribo que vive isolada do mundo

Para chegar próximo dos indígenas, a equipa viajou mais de 110 quilómetros em "barcos, camiões e motos" e cerca de 120 quilómetros a pé pela densa floresta amazónica

As imagens foram captadas por um drone da Funai - Fundação Nacional do Índio, durante uma das expedições que organiza e cujo objetivo é monitorizar e proteger os indígenas que vivem isolados do mundo civilizado. O vídeo mostra, pela primeira vez, estes índios que nunca tiveram qualquer contacto com o exterior, segundo a própria organização.

A gravação, realizada em 2017, só foi divulgada esta quarta-feira e mostra uma clareira no vale do rio Javary, perto da fronteira do Brasil com o Peru, onde se veem vários indígenas a caminhar - um deles carrega o que parece ser uma lança.

A fundação também divulgou fotografias tiradas pela equipa terrestre, que mostram canoas feitas de troncos de palmeira e um machado com uma lâmina de pedra amarrada a um cabo de madeira. Nas imagens aéreas aparece uma cabana de palha.

Na região, situada no sudoeste da floresta amazónica, vivem oito tribos indígenas que já entraram em contacto, de alguma forma, com o mundo exterior, e outras onze, que nunca contactaram com a civilização. A zona é conhecida por aglomerar a maior quantidade de tribos de índios que vivem isoladas do mundo.

No comunicado publicado no seu site, a Funai descreve que para chegar próximo desta tribo a equipa viajou mais de 110 quilómetros em "barcos, camiões e motos" e cerca de 120 quilómetros a pé pela densa floresta até chegar ao local onde os indígenas vivem.

A expedição contou com a presença da polícia, que apanhou em flagrante dois grupos de caçadores ilegais: os animais vivos que tinham sido capturados foram libertados. A fundação sublinhou que esta "invasão e destruição da floresta tropical, muitas vezes acompanhada de violência contra os povos indígenas, ameaça a sobrevivência das tribos".

A divulgação destas imagens acontece um mês depois de a Funai ter partilhado publicamente imagens daquele que é conhecido como o "Índio do Buraco", o último sobrevivente de uma tribo indígena que vive na floresta da Amazónia há 22 anos. O indígena escolheu a solidão em vez da civilização, depois de os membros da sua tribo terem sido dizimados.

O indígena foi filmado a cortar uma árvore com um machado. Estava em excelente forma física e a Funai recordou que o homem, que terá cerca de 50 anos, nunca aceitou o contacto com as equipas que o acompanham à distância.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.