Doze feridos do acidente em Espanha continuam internados mas não correm perigo

O primeiro-ministro espanhol, Mariano Rajoy, informou que as 12 pessoas feridas no acidente desta sexta-feira do comboio Celta em Porriño, na Galiza, continuam hospitalizadas, mas que nenhuma corre perigo de vida

"O importante agora é que as pessoas feridas recuperem com a celeridade possível e que se possa restabelecer a circulação [ferroviária] com a maior celeridade", acrescentou Rajoy, durante uma visita ao local do acidente.

O líder do Governo espanhol apresentou ainda condolências aos familiares das quatro vítimas mortais, entre as quais um português, que era o maquinista do comboio.

Agradeceu também às organizações de socorro, que "em 12 minutos" já estavam no local.

Rajoy disse ainda esperar que a investigação ao acidente "diga exatamente o que aconteceu e quais foram as causas".

Segundo o vice-cônsul de Portugal na Galiza, Manuel Correia da Silva, três dos feridos são portugueses, mas dois já tiveram alta hospitalar.

O comboio, com 63 passageiros, fazia o trajeto Vigo-Porto partilhado entre a CP portuguesa e a Renfe espanhola na linha conhecida com o nome "Celta", inaugurada em julho de 2013.

Pelo menos quatro pessoas morreram e 49 ficaram feridas no descarrilamento do comboio em Porriño, Pontevedra (Espanha).

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.