Donald Trump volta a defender separação de famílias na fronteira

O Presidente norte-americano, Donald Trump, voltou a defender este sábado a separação de famílias de imigrantes na fronteira com o México, encorajando todos os que "sentem" que vão ser separados a não entrarem no território

"Se sentirem que haverá uma separação, então não venham", disse Trump em declarações à imprensa.

O Presidente voltou a defender duras políticas migratórias e não negou as informações avançadas pelo The Washington Post, que afirmou que o executivo está a preparar novas medidas que implicam, de novo, a separação de famílias na fronteira.

"Estamos a analisar tudo o que é possível no que diz respeito à imigração ilegal", acrescentou Trump, sem dar mais detalhes.

De acordo com o The Washington Post, que cita fontes da Casa Branca, uma das opções do Governo é manter juntas as famílias sob custódia durante os primeiros 20 dias de detenção, o tempo máximo permitido para reter um menor.

Depois desse período, os adultos terão de escolher entre duas opções: libertar as crianças, separando-se delas, ou mantê-las 'presas' consigo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Isabel Moreira ou Churchill

Numa das muitas histórias que lhe são atribuídas, sem serem necessariamente verdadeiras, em resposta a um jovem deputado que, apontando para a bancada dos Trabalhistas, perguntou se era ali que se sentavam os seus inimigos, Churchill teria dito que não: "Ali sentam-se os nossos adversários, os nossos inimigos sentam-se aqui (do mesmo lado)." Verdadeira ou não, a história tem uma piada e duas lições. Depois de ler o que publicou no Expresso na semana passada, é evidente que a deputada Isabel Moreira não se teria rido de uma, nem percebido as outras duas.