Trump trava sanções económicas à Rússia que embaixadora na ONU tinha anunciado

No domingo Nikki Haley tinha dito que os EUA iam impor novas sanções económicas à Rússia. Segunda-feira, Trump desmentiu-a e travou as medidas anunciadas

Ao contrário do que a embaixadora norte-americana nas Nações Unidas, Nikki Haley, tinha anunciado no domingo, os EUA não vão impor novas sanções económicas à Rússia. Segundo o The Washington Post, será o próprio Donald Trump a travar essa iniciativa.

O presidente dos EUA contrariou a sua embaixadora que tinha dito no programa "Face the Nation", da CBS News , que as sanções contra as empresas russas que estivessem por trás do equipamento relacionado com o suposto ataque químico na Síria seriam anunciadas na segunda-feira pelo secretário do Tesouro, Steven Mnuchin.

Segundo o Post, Trump conversou com os assessores de segurança nacional a quem terá dito que ainda não estava suficientemente confortável com as sanções para executá-las.

Ao que tudo indica, Donald Trump não vai impor quaisquer sanção adicional à Rússia sem outro evento que o motive.

Algum tempo depois dos comentários de Haley à CBS, o governo Trump notificou a embaixada russa em Washington de que não ia haver sanções e decidiu caracterizar publicamente o anúncio da embaixadora como uma distorção da realidade.

A secretária de imprensa da Casa Branca, Sarah Huckabee Sanders, disse em um comunicado na segunda-feira: "Estamos considerando sanções adicionais à Rússia e uma decisão será tomada no futuro próximo".

Ler mais

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."