Donald Trump e Travis Bickle? O ator De Niro vê semelhanças

Robert De Niro compara Trump a personagem mentalmente instável que interpretou em "Taxi Driver"

O ator norte-americano Robert De Niro comparou hoje Donald Trump à personagem mentalmente instável que interpretou no icónico filme Taxi Driver (1976), considerando o candidato republicano às presidenciais norte-americanas "totalmente louco".

O veterano ator, premiado com dois Óscares, fez os comentários no Festival de Cinema de Sarajevo, que começou na sexta-feira com a exibição do clássico de Martin Scorsese, remasterizado digitalmente para o seu 40.º aniversário.

Em Taxi Driver, De Niro interpreta Travis Bickle, um veterano da guerra do Vietname que conduz um táxi em Nova Iorque e que sucumbe lentamente à paranoia e esquizofrenia.

"O que é significativo para mim é esta ironia de no final ele (Travis) estar a conduzir novamente o seu táxi e... congratulamo-nos. O que é de alguma forma, de um modo estranho, pertinente também hoje", comentou o ator numa conversa pública à margem do festival, do qual é convidado de honra.

Fazendo a ligação com a corrida presidencial norte-americana, De Niro, que é há muito um apoiante dos democratas, disse que Trump, como Bickle, está onde não devia estar. "Não sei, é uma loucura, mas pessoas como Donald Trump (...) nem deveriam estar onde ele está, por isso, Deus nos ajude", adiantou.

"Penso que as pessoas agora estão a começar a rejeitá-lo", disse, adiantando: "Os media deram-lhe toda esta atenção e finalmente estão a começar a dizer: 'Vá lá Donald, isto é ridículo, isto é uma loucura'. (...) Porque o que ele tem dito é realmente completamente louco, coisas ridículas... completamente loucas".

Trump tem vindo a descer nas sondagens e está sob crescente pressão, mesmo entre os republicanos, pela sua aparente incapacidade de parar de fazer afirmações controversas e observações extemporâneas.

No início da semana, Trump acusou o Presidente Barack Obama de ser o "fundador" do grupo extremista Estado Islâmico e a sua rival democrata, Hillary Clinton, de ser "cofundadora". Depois de manter as declarações por diversas vezes, sugeriu na sexta-feira que estava a ser sarcástico.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Falem do futuro

O euro, o Erasmus, a paz. De cada vez que alguém quer defender a importância da Europa, aparece esta trilogia. Poder atravessar a fronteira sem trocar de moeda, ter a oportunidade de passar seis meses a estudar no estrangeiro (há muito que já não é só na União Europeia) e - para os que ainda se lembram de que houve guerras - a memória de que vivemos o mais longo período sem conflitos no continente europeu. Normalmente dizem isto e esperam que seja suficiente para que a plateia reconheça a maravilha da construção europeia e, caso não esteja já convertida, se renda ao projeto europeu. Se estes argumentos não chegam, conforme o país, invocam os fundos europeus e as autoestradas, a expansão do mercado interno ou a democracia. E pronto, já está.