Trump diz que relação entre EUA e Rússia "nunca foi pior"

Presidente norte-americano critica "caça às bruxas"

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, queixou-se esta segunda-feira que o relacionamento do seu país com a Rússia nunca foi tão mau, devido à investigação sobre a interferência russa nas eleições americanas de 2016.

"O nosso relacionamento com a Rússia nunca foi pior devido aos muitos anos de tolice e estupidez dos Estados Unidos e agora, a caça às bruxas", escreveu Donald Trump na rede social Twitter.

Donald Trump referia-se à investigação liderada por Robert Mueller - promotor especial escolhido pelo Departamento de Justiça norte-americano para investigar uma suposta ingerência de russos nas últimas eleições dos EUA.

A mensagem de Donald Trump surgiu pouco antes da cimeira de hoje com Vladimir Putin, marcada para 13:20 (10:20 GMT) no Palácio Presidencial em Helsínquia para discutir os conflitos na Síria e na Ucrânia, o desarmamento nuclear e a suposta interferência de Moscovo nas eleições dos Estados Unidos.

A cimeira de Helsínquia, a primeira formal entre Trump e Putin, vai ter início com um encontro privado entre os dois líderes, e será acompanhada apenas pelos seus intérpretes.

Em seguida, Trump e Putin participam num almoço de trabalho conjunto com ministros e assessores, seguido de uma conferência de imprensa.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.