Donald Trump declara "emergência de saúde pública" o consumo de opiáceos nos EUA

Substância matou 64 mil pessoas no ano passado nos EUA

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, declarou hoje como "emergência de saúde pública" o consumo de analgésicos opiáceos no país, uma substância que causou a morte de 64 mil pessoas no ano passado.

"De maneira efetiva, a partir de hoje, o meu governo declara a epidemia de opiáceos como uma emergência de saúde pública", disse Trump, acerca daquela que é a pior crise de consumo dessa substância da "história da humanidade".

As declarações do Presidente norte-americano surgiram durante uma cerimónia na Casa Branca, e permitem que haja mais fundos a nível estatal e federal para a luta contra a dependência de substâncias como OxyContin ou Vicodin, que levam muitos americanos a consumir, posteriormente, heroína.

Donald Trump assinou hoje um memorando presidencial no qual encarrega o secretário do Departamento da Saúde e dos Serviços Humanos, Eric Hargan, dessa declaração e na qual pede ainda a todas as agências governamentais que deem prioridade à luta contra os opiáceos.

Segundo dados do Centro de Controlo e Prevenção de Doenças (CDC), citados por Donald Trump, 64.000 pessoas morreram no ano passado por 'overdose' de opiáceos, incluindo heroína, nos Estados Unidos, o que supõe 175 mortes por dia e 07 vítimas mortais a cada hora.

Segundo o líder americano, "90% da heroína" chega aos Estados Unidos a partir da fronteira com o México, onde prometeu que construirá um muro que "terá um grande impacto".

Na cerimónia na Casa Branca, Trump esteve acompanhado pela primeira-dama, Melania, por pais que perderam os filhos para a toxicodependência, e ainda por membros da polícia que lutam contra o tráfico de drogas.

A declaração de "emergência de saúde pública" durará 90 dias, mas pode ser renovada indefinidamente.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.