Donald Trump declara "emergência de saúde pública" o consumo de opiáceos nos EUA

Substância matou 64 mil pessoas no ano passado nos EUA

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, declarou hoje como "emergência de saúde pública" o consumo de analgésicos opiáceos no país, uma substância que causou a morte de 64 mil pessoas no ano passado.

"De maneira efetiva, a partir de hoje, o meu governo declara a epidemia de opiáceos como uma emergência de saúde pública", disse Trump, acerca daquela que é a pior crise de consumo dessa substância da "história da humanidade".

As declarações do Presidente norte-americano surgiram durante uma cerimónia na Casa Branca, e permitem que haja mais fundos a nível estatal e federal para a luta contra a dependência de substâncias como OxyContin ou Vicodin, que levam muitos americanos a consumir, posteriormente, heroína.

Donald Trump assinou hoje um memorando presidencial no qual encarrega o secretário do Departamento da Saúde e dos Serviços Humanos, Eric Hargan, dessa declaração e na qual pede ainda a todas as agências governamentais que deem prioridade à luta contra os opiáceos.

Segundo dados do Centro de Controlo e Prevenção de Doenças (CDC), citados por Donald Trump, 64.000 pessoas morreram no ano passado por 'overdose' de opiáceos, incluindo heroína, nos Estados Unidos, o que supõe 175 mortes por dia e 07 vítimas mortais a cada hora.

Segundo o líder americano, "90% da heroína" chega aos Estados Unidos a partir da fronteira com o México, onde prometeu que construirá um muro que "terá um grande impacto".

Na cerimónia na Casa Branca, Trump esteve acompanhado pela primeira-dama, Melania, por pais que perderam os filhos para a toxicodependência, e ainda por membros da polícia que lutam contra o tráfico de drogas.

A declaração de "emergência de saúde pública" durará 90 dias, mas pode ser renovada indefinidamente.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.