Donald Trump critica campanha publicitária da Nike

Campanha com o jogador de futebol americano que liderou protesto contra violência policial sobre as minorias étnicas divide o público norte-americano. Crítico do movimento de contestação, presidente dos EUA saiu agora a criticar a marca de material desportivo.

"A Nike está a ser completamente esmagada com raiva e boicotes. Pergunto se eles tinham alguma ideia de que isto seria assim? No que ao futebol americano respeita, é-me difícil ver, e será sempre assim, enquanto não se levantarem para a bandeira", reagiu Donald Trump no Twitter.

Já na terça-feira, ao Daily Caller, Trump afirmou que a Nike está a enviar uma "mensagem terrível que não deveria ser enviada".

Quando Colin Kaepernick e outros jogadores começaram a ajoelhar-se durante o hino dos Estados Unidos, em 2016, como forma de protesto contra o racismo, em especial pela forma como a polícia discrimina as minorias, desatou uma onda de controvérsia à qual o próprio Donald Trump tem estado ligado.

Ainda candidato à presidência, Trump comentou que o jogador faria melhor em sair dos EUA: "Talvez ele deva encontrar um país que funcione melhor para ele."

Graças ao seu ativismo, Kaepernick acabou por ficar sem clube, o que motivou a campanha atual da Nike, "Acredita nalguma coisa. Mesmo que isso signifique sacrificares tudo".

Apoio de LeBron James

Do outro lado da trincheira, o atleta mais famoso dos Estados Unidos, o basquetebolista LeBron James, afirmou, durante a entrega de um prémio, em Nova Iorque: "Eu estou com a Nike, o dia todo, todos os dias."

Ler mais

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...