Donald Trump critica campanha publicitária da Nike

Campanha com o jogador de futebol americano que liderou protesto contra violência policial sobre as minorias étnicas divide o público norte-americano. Crítico do movimento de contestação, presidente dos EUA saiu agora a criticar a marca de material desportivo.

"A Nike está a ser completamente esmagada com raiva e boicotes. Pergunto se eles tinham alguma ideia de que isto seria assim? No que ao futebol americano respeita, é-me difícil ver, e será sempre assim, enquanto não se levantarem para a bandeira", reagiu Donald Trump no Twitter.

Já na terça-feira, ao Daily Caller, Trump afirmou que a Nike está a enviar uma "mensagem terrível que não deveria ser enviada".

Quando Colin Kaepernick e outros jogadores começaram a ajoelhar-se durante o hino dos Estados Unidos, em 2016, como forma de protesto contra o racismo, em especial pela forma como a polícia discrimina as minorias, desatou uma onda de controvérsia à qual o próprio Donald Trump tem estado ligado.

Ainda candidato à presidência, Trump comentou que o jogador faria melhor em sair dos EUA: "Talvez ele deva encontrar um país que funcione melhor para ele."

Graças ao seu ativismo, Kaepernick acabou por ficar sem clube, o que motivou a campanha atual da Nike, "Acredita nalguma coisa. Mesmo que isso signifique sacrificares tudo".

Apoio de LeBron James

Do outro lado da trincheira, o atleta mais famoso dos Estados Unidos, o basquetebolista LeBron James, afirmou, durante a entrega de um prémio, em Nova Iorque: "Eu estou com a Nike, o dia todo, todos os dias."

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.