Donald Trump avisa que não pode ajudar Porto Rico para sempre 

Presidente dos Estados Unidos avisou que a ajuda federal não é eterna

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, avisou Porto Rico, que está a lutar para recuperar da destruição causada pelo furacão Maria, que a ajuda federal não será eterna.

"Não podemos manter a FEMA (agência de gestão de emergências norte-americana), o exército e as equipas de resgate, que foram incríveis (nas circunstâncias mais difíceis), em Porto Rico (Porto Rico) para sempre!", escreveu Donald Trump numa mensagem na sua conta da rede social Twitter.

"A eletricidade e todas as infraestruturas eram desastrosas antes dos furacões. O Congresso decidirá", concluiu o Presidente norte-americano.

A ilha de Porto Rico, atingida pelo furacão Maria em 20 de setembro, que provocou pelo menos 44 mortos, ainda está a tentar recuperar deste desastre natural.

Cerca de 5.700 pessoas vivem ainda em abrigos e a maior parte da ilha ainda não possui distribuição de eletricidade e água.

O governador da ilha, Ricardo Rossello, pediu esta semana ao Congresso norte-americano uma ajuda adicional de 4,9 mil milhões de dólares (4,1 mil milhões de euros) no âmbito de um programa de empréstimos devido ao desastre natural que atingiu a ilha.

O pedido ocorre uma semana depois de Trump solicitar ao Congresso que liberte cerca de 29 mil milhões de dólares (24,5 mil milhões de euros), sendo 12,7 mil milhões de dólares (10,7 mil milhões de euros) em ajuda emergencial e 16 mil milhões de dólares (13,5 mil milhões de euros) para pagar parte da dívida da ilha estimada em 73 mil milhões de dólares (61,6 mil milhões de euros).

"Nós não abandonamos os norte-americanos quando estes precisam", declarou hoje a líder dos Democratas na Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi.

Ex-colónia espanhola, Porto Rico tornou-se território norte-americano no final do século XIX, antes de adquirir o estatuto especial de "Estado Livre Associado " na década de 1950.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.