Donald Trump ataca Amazon: "Paga poucos impostos"

O presidente dos EUA apontou o dedo a plataforma de vendas online que acusa de estar a prejudicar o negócio a outras empresas

O presidente dos Estados Unidos continua a guerra contra a Amazon. Donald Trump voltou a utlizar o Twitter para acusar a plataforma online de pagar "muito poucos" impostos, o que estaria a prejudicar outros lojistas.

"Expressei as minhas preocupações com a Amazon muito antes das eleições, Ao contrário de outros, eles pagam pouco ou não pagam nenhuns impostos ao Estado, nem aos governos locais, usam o nosso sistema de correios como rapaz de entregas (causando uma tremenda perda aos Estados Unidos) e estão a colocar milhares de lojistas fora de jogo", escreveu Trump.

O grupo Amazon encerrou a sessão desta quarta-feira na Bolsa de Nova York em forte baixa, com uma descida de 4,38%, o que representou uma perda de 31,4 mil milhões de dólares, ou sejam mais de 25 mil milhões de euros, em capitalização de mercado.

O portal Axios publicou esta quarta-feira um artigo sobre a "obsessão" de Trump acerca da Amazon. O artigo defendia que o presindente dos Estados Unidos queria atacar o grupo de Jeff Bezos com leis antimonopólio, para proteger o comércio.

Ou os amigos. Segundo a mesma notícia teriam sido as preocupações dos amigos milionários do presidente sobre a rentabilidade dos seus negócios, "destruídos" pelo controle cada vez maior da Amazon no setor da distribuição, que o levou a atacar.

Desde 2015, Trump já utilizou o Twitter para criticar a empresa de Jeff Bezos mais de uma dúzia de vezes.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.