Donald critica Donald: "Com amigos destes, quem precisa de inimigos?"

Presidente do Conselho Europeu escreveu aos líderes da UE antes da reunião informal desta noite. Acordo nuclear iraniano e taxas alfandegárias foram os temas discutidos para se ensaiar uma resposta coletiva aos Estados Unidos

Os líderes dos países europeus encontraram-se hoje à noite em Sófia para definirem uma voz comum face à "atitude caprichosa" do presidente norte-americano no que respeita aos dossiês do nuclear iraniano e das novas barreiras comerciais. O mote foi dado pelo presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk: "Hoje estamos a assistir a um novo fenómeno: a assertividade caprichosa da administração norte-americana. Quando observamos as últimas decisões do presidente [Donald Trump], podemos questionar-nos: com amigos destes, quem precisa de inimigos?", escreveu o dirigente polaco em carta endereçada aos chefes de governo da UE.

Ainda na Alemanha, Angela Merkel apelou para a continuidade das relações transatlânticas, de "importância capital". À saída da reunião do Partido Socialista Europeu, na capital búlgara, o PM português António Costa alinhou com Tusk, ao defender uma "Europa forte" num mundo onde se multiplicam "os fatores de crise e de tensão e onde os EUA não têm dado um bom contributo, para não dizer um contributo negativo".

O encontro realizou-se num jantar informal, organizado pela Bulgária, que ocupa a presidência rotativa da União Europeia. No repasto, os 28 discutiram temas como o acordo nuclear do Irão, as taxas alfandegárias norte-americanas às importações de aço e de alumínio.

A UE está isenta de taxas alfandegárias até 31 de maio de 25% sobre as exportações de aço e de 10% sobre as de alumínio. Na carta, Tusk apelou para o cerrar de fileiras pela isenção permanente das taxas. "É absurdo pensar que a UE possa ser uma ameaça para os Estados Unidos", comentou. Por sua vez, o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, reiterou a "importância primordial" da manutenção do acordo com o Irão.

Na quinta-feira os 28 encontram-se com os seus pares da Albânia, Bósnia e Herzegovina, Sérvia, Montenegro, Macedónia e Kosovo. É a primeira vez em 15 anos que a UE realiza um encontro com os parceiros dos Balcãs. O objetivo é fortalecer os laços com essa região onde a Rússia tenta expandir a sua influência.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.