Dois republicanos querem adiar nomeação do candidato de Trump ao Supremo Tribunal

Voto dos dois republicanos é fulcral para nomear Brett Kavanaugh, que foi acusado de agressão sexual por uma professora universitária

O processo da nomeação do juiz Brett Kavanaugh para o Supremo Tribunal norte-americano prometia ser rápido, mas dois senadores republicanos juntaram-se aos democratas no pedido para uma investigação ao candidato de Donald Trump, que foi acusado de agressão sexual por uma professora universitária.

Segundo a Bloomberg, os republicanos Bob Corker e Jeff Flake querem adiar a votação, agendada para a próxima quinta-feira, para que sejam examinadas as alegações de Christine Blassey Ford, que deu uma entrevista ao Washington Post no domingo e revelou que Brett Kavanaugh, de 53 anos, a terá agredido sexualmente numa festa do liceu em 1982, quando ela tinha 15 anos e Kavanaugh 17.

Donald Trump não vai retirar a nomeação de Kavanaugh, que iria substituir o juiz Anthony Kennedy - entretanto aposentado - e a administração está a preparar um "contra-ataque", informou um responsável da Casa Branca. A resposta de Trump irá passar por descredibilizar o testemunho da atual professora universitária, alegando que Christine Blassey Ford não contou a ninguém sobre o incidente na altura em que este aconteceu.

A Casa Branca, de acordo com a Bloomberg, quer evitar uma audição pública da queixosa, mas estará disposta a aceitar um inquérito confidencial.

"Deixei claro que não estou confortável em avançar com o voto na quinta-feira se não tivermos ouvido o lado dela ou explorado mais o assunto", disse Jeff Flake, que faz parte do Comité Judiciário do Senado e poderá fazer parar o processo se todos os democratas se juntarem a ele, já que os republicanos têm apenas mais um representante do que a oposição neste Comité.

Já Bob Corker, que não pertence ao Comité mas cujo voto é fundamental para a confirmação do juiz, também não quer confirmar o candidato de Trump até ouvir Christine Blassey Ford.

Ford, hoje com 51 anos, diz que Kavanaugh e outro adolescente a fecharam num quarto. "Enquanto o amigo ficou só a ver, Kavanaugh prendeu-a contra a cama e apalpou-a por cima da roupa, ao mesmo tempo que de forma atabalhoada lhe tentava tirar um fato de banho de uma peça e a roupa que trazia", relata o Washington Post. Quando Christine Ford tentou gritar, Brett Kavanaugh tapou-lhe a boca. "Eu pensei que ele podia matar-me de forma inadvertida", contou.

A professora universitária de psicologia diz que após semanas de dúvidas sobre se deveria dar a cara, depois de em julho ter enviado uma carta a denunciar o caso à senadora democrata Dianne Feinstein, sentiu que agora a sua "responsabilidade civil está a superar a angústia e o terror em relação a possíveis retaliações".

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Os deuses das moscas

Com a idade, tendemos a olhar para o passado em jeito de balanço; mas, curiosamente, arrependemo-nos sobretudo do que não fizemos nem vamos já a tempo de fazer. Cá em casa, tentamos, mesmo assim, combater o vazio mostrando um ao outro o que foi a nossa vida antes de estarmos juntos e revisitando os lugares que nos marcaram. Já fomos, por exemplo, a Macieira de Cambra em busca de uma rapariga com quem o Manel dançara um Verão inteiro (e encontrámo-la, mas era tudo menos uma rapariga); e, mais recentemente, por causa de um casamento no Gerês, fizemos um desvio para eu ir ver o hotel das termas onde ele passava férias com os avós quando era adolescente. Ainda hoje o Manel me fala com saudade daqueles julhos pachorrentos, entre passeios ao rio Homem e jogos de cartas numa varanda larga onde as senhoras inventavam napperons e mexericos, enquanto os maridos, de barrigas fartas de tripas e francesinhas no ano inteiro, tratavam dos intestinos com as águas milagrosas de Caldelas. Nas redondezas, havia, ao que parece, uma imensidão de campos; e, por causa das vacas que ali pastavam, os hóspedes não conseguiam dar descanso aos mata-moscas, ameaçados pelas ferradelas das danadas que, não bastando zumbirem irritantemente, ainda tinham o hábito de pousar onde se sabe.