Dois republicanos querem adiar nomeação do candidato de Trump ao Supremo Tribunal

Voto dos dois republicanos é fulcral para nomear Brett Kavanaugh, que foi acusado de agressão sexual por uma professora universitária

O processo da nomeação do juiz Brett Kavanaugh para o Supremo Tribunal norte-americano prometia ser rápido, mas dois senadores republicanos juntaram-se aos democratas no pedido para uma investigação ao candidato de Donald Trump, que foi acusado de agressão sexual por uma professora universitária.

Segundo a Bloomberg, os republicanos Bob Corker e Jeff Flake querem adiar a votação, agendada para a próxima quinta-feira, para que sejam examinadas as alegações de Christine Blassey Ford, que deu uma entrevista ao Washington Post no domingo e revelou que Brett Kavanaugh, de 53 anos, a terá agredido sexualmente numa festa do liceu em 1982, quando ela tinha 15 anos e Kavanaugh 17.

Donald Trump não vai retirar a nomeação de Kavanaugh, que iria substituir o juiz Anthony Kennedy - entretanto aposentado - e a administração está a preparar um "contra-ataque", informou um responsável da Casa Branca. A resposta de Trump irá passar por descredibilizar o testemunho da atual professora universitária, alegando que Christine Blassey Ford não contou a ninguém sobre o incidente na altura em que este aconteceu.

A Casa Branca, de acordo com a Bloomberg, quer evitar uma audição pública da queixosa, mas estará disposta a aceitar um inquérito confidencial.

"Deixei claro que não estou confortável em avançar com o voto na quinta-feira se não tivermos ouvido o lado dela ou explorado mais o assunto", disse Jeff Flake, que faz parte do Comité Judiciário do Senado e poderá fazer parar o processo se todos os democratas se juntarem a ele, já que os republicanos têm apenas mais um representante do que a oposição neste Comité.

Já Bob Corker, que não pertence ao Comité mas cujo voto é fundamental para a confirmação do juiz, também não quer confirmar o candidato de Trump até ouvir Christine Blassey Ford.

Ford, hoje com 51 anos, diz que Kavanaugh e outro adolescente a fecharam num quarto. "Enquanto o amigo ficou só a ver, Kavanaugh prendeu-a contra a cama e apalpou-a por cima da roupa, ao mesmo tempo que de forma atabalhoada lhe tentava tirar um fato de banho de uma peça e a roupa que trazia", relata o Washington Post. Quando Christine Ford tentou gritar, Brett Kavanaugh tapou-lhe a boca. "Eu pensei que ele podia matar-me de forma inadvertida", contou.

A professora universitária de psicologia diz que após semanas de dúvidas sobre se deveria dar a cara, depois de em julho ter enviado uma carta a denunciar o caso à senadora democrata Dianne Feinstein, sentiu que agora a sua "responsabilidade civil está a superar a angústia e o terror em relação a possíveis retaliações".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.