Dois polícias mortos e 13 feridos, incluindo membro do Congresso, em ataque

Um membro do Congresso filipino e aliado do Presidente Rodrigo Duterte ficou hoje ligeiramente ferido num ataque com granada, no qual morreram dois polícias, anunciou a polícia.

Joseph Bernos, representante da província de Abra (norte), uma região pobre marcada pela violência política, ficou ferido no ataque como 13 outras pessoas, incluindo a sua mulher Menchie, indicou. O atentado ainda não foi reivindicado.

O casal assistia a um espetáculo de fogo-de-artifício em La Paz, cidade a 350 quilómetros a norte de Manila, e da qual Menchie Bernos é a presidente da câmara.

De acordo com a porta-voz da polícia regional Carolina Lacuata, os dois agentes da polícia morreram no hospital.

Bernos é membro do partido do Presidente das Filipinas, PDP-Laban.

O gabinete do parlamentar remeteu qualquer declaração sobre o ataque para um comunicado a ser publicado mais tarde.

Os investigadores encontraram duas cavilhas de segurança de granadas de mão mas, até ao momento, desconheciam ter ocorrido qualquer outra explosão.

Um inquérito realizado pelo centro filipino para o jornalismo de investigação concluiu que 31 políticos, homens e mulheres, de Abra foram assassinados entre 2001 e 2006, aparentemente por assassinos contratados por rivais políticos.

A mais conhecida destas vítimas é o parlamentar Luis Bersamon, cujo lugar foi ocupado por Bernos, após as eleições de 2016.

O irmão mais velho de Joseph Bernos, Ysrael, foi assassinado em 2006 quando era presidente da câmara de La Paz.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.