Dois polícias mortos e 13 feridos, incluindo membro do Congresso, em ataque

Um membro do Congresso filipino e aliado do Presidente Rodrigo Duterte ficou hoje ligeiramente ferido num ataque com granada, no qual morreram dois polícias, anunciou a polícia.

Joseph Bernos, representante da província de Abra (norte), uma região pobre marcada pela violência política, ficou ferido no ataque como 13 outras pessoas, incluindo a sua mulher Menchie, indicou. O atentado ainda não foi reivindicado.

O casal assistia a um espetáculo de fogo-de-artifício em La Paz, cidade a 350 quilómetros a norte de Manila, e da qual Menchie Bernos é a presidente da câmara.

De acordo com a porta-voz da polícia regional Carolina Lacuata, os dois agentes da polícia morreram no hospital.

Bernos é membro do partido do Presidente das Filipinas, PDP-Laban.

O gabinete do parlamentar remeteu qualquer declaração sobre o ataque para um comunicado a ser publicado mais tarde.

Os investigadores encontraram duas cavilhas de segurança de granadas de mão mas, até ao momento, desconheciam ter ocorrido qualquer outra explosão.

Um inquérito realizado pelo centro filipino para o jornalismo de investigação concluiu que 31 políticos, homens e mulheres, de Abra foram assassinados entre 2001 e 2006, aparentemente por assassinos contratados por rivais políticos.

A mais conhecida destas vítimas é o parlamentar Luis Bersamon, cujo lugar foi ocupado por Bernos, após as eleições de 2016.

O irmão mais velho de Joseph Bernos, Ysrael, foi assassinado em 2006 quando era presidente da câmara de La Paz.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...