Casal de polícias mexicanos e filho bebé assassinados em Cancún

Casal estava de folga e passeava no centro comercial com o filho bebé quando foi atacado por um grupo de homens com armas de fogo

Dois membros da polícia ministerial mexicana e o filho bebé foram assassinados a tiro no estacionamento de um centro comercial de Cancún, no sudeste do México, confirmou hoje a Procuradoria-geral do Estado de Quintana Roo.

De acordo com um comunicado divulgado pelo organismo, o comandante Julio César Durán Cárdenas a polícia ministerial Alia Shagreel Lugo Leal estavam de folga e encontravam-se no centro comercial Gran Plaza com o filho.

O casal estava no estacionamento do centro comercial cerca das 20:00 hora local de sábado (01:00 TMG de domingo) quando foi atacada por um grupo de homens com armas de fogo.

Os dois polícias ministeriais, da Procuradoria-geral, morreram no local enquanto o bebé foi levado de emergência para um hospital, onde foi declarada a morte minutos depois.

Centenas de pessoas que estavam no interior do estabelecimento comercial viveram momentos de pânico durante o ataque armado. As portas de acesso foram fechadas e por segurança impediu-se a saída de todos os que estavam no local.

Nos últimos meses a insegurança e a violência aumentaram e estenderam-se a boa parte do Estado de Quintana Roo, que recebe uma importante quantidade de turistas e divisas estrangeiras, pela alegada disputa entre o cartel Jalisco Nueva Generación com Los Zetas e outros grupos transgressores para controlar a região.

Em janeiro ocorreu um ataque à sede da Procuradoria-geral do Estado de Quintana Roo, em Cancún, do qual resultaram quatro mortos, dias depois de um tiroteio numa discoteca em Playa del Carmen ter acabado com a vida de cinco pessoas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.