Casal de polícias mexicanos e filho bebé assassinados em Cancún

Casal estava de folga e passeava no centro comercial com o filho bebé quando foi atacado por um grupo de homens com armas de fogo

Dois membros da polícia ministerial mexicana e o filho bebé foram assassinados a tiro no estacionamento de um centro comercial de Cancún, no sudeste do México, confirmou hoje a Procuradoria-geral do Estado de Quintana Roo.

De acordo com um comunicado divulgado pelo organismo, o comandante Julio César Durán Cárdenas a polícia ministerial Alia Shagreel Lugo Leal estavam de folga e encontravam-se no centro comercial Gran Plaza com o filho.

O casal estava no estacionamento do centro comercial cerca das 20:00 hora local de sábado (01:00 TMG de domingo) quando foi atacada por um grupo de homens com armas de fogo.

Os dois polícias ministeriais, da Procuradoria-geral, morreram no local enquanto o bebé foi levado de emergência para um hospital, onde foi declarada a morte minutos depois.

Centenas de pessoas que estavam no interior do estabelecimento comercial viveram momentos de pânico durante o ataque armado. As portas de acesso foram fechadas e por segurança impediu-se a saída de todos os que estavam no local.

Nos últimos meses a insegurança e a violência aumentaram e estenderam-se a boa parte do Estado de Quintana Roo, que recebe uma importante quantidade de turistas e divisas estrangeiras, pela alegada disputa entre o cartel Jalisco Nueva Generación com Los Zetas e outros grupos transgressores para controlar a região.

Em janeiro ocorreu um ataque à sede da Procuradoria-geral do Estado de Quintana Roo, em Cancún, do qual resultaram quatro mortos, dias depois de um tiroteio numa discoteca em Playa del Carmen ter acabado com a vida de cinco pessoas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.