Dois esquiadores espanhóis morrem nos Pirenéus franceses

As vítimas ficaram soterradas pela neve entre duas a três horas, depois de uma avalanche

Dois esquiadores espanhóis morreram este sábado nos Pirenéus franceses depois de terem sido arrastados por uma avalanche, disseram as autoridades.

A prefeitura da região sudoeste dos Altos Pirenéus adiantou que os dois homens faziam parte de um grupo de quatro turistas espanhóis e um guia que estavam a fazer esqui numa área fora da pista em Aragnouet, perto da fronteira espanhola.

Myriel Porteous, uma responsável da prefeitura, disse à Associated Press que tinha sido aberta uma investigação para apurar o que provocou a avalanche.

A mesma fonte adiantou que duas mulheres e o guia espanhol conseguiram escapar à avalanche.

As duas vítimas ficaram soterradas pela neve durante duas a três horas antes de serem descobertas pelas equipas de salvamento, apoiadas por cães especializados em buscas, acrescentou Myriel Porteous.

Uma das vítimas morreu no local e a outra depois de ter sido transportada para o hospital.

As autoridades alertaram para um elevado risco de avalanches nos Pirenéus franceses e nos Alpes franceses.

Na sexta-feira, quatro esquiadores morreram depois de terem sido apanhados por uma avalanche nos Pirenéus franceses.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.