Do terrorismo às alterações climáticas: os medos em debate

Nos dias 28 e 29 de maio, a Associação dos Antigos Alunos do Liceu Charles Lepierre organiza um colóquio em torno do medo na Fundação Gulbenkian.

Terrorismo, alterações climáticas, inteligência artificial e refugiados são as quatro áreas que vão ser abordadas em dois dias de colóquio a decorrer a 28 e 29 de maio na Fundação Gulbenkian.

Organizada pela Associação dos Antigos Alunos do Liceu Charles Lepierre e apoiada pelo Institut Français du Portugal e a Embaixada de França, a iniciativa chama-se Combater os Medos. E conta com a participação de especialistas nacionais e internacionais como António Damásio , especialista internacionalmente reconhecido das neurociências, Inge Bell , Vice presidente da ONG Terre des Femmes , Y-Lan Boureau , investigadora em Inteligência Artificial n o Facebook e Jorge Moreira da Silva , Director geral do D esenvolvimento e Cooperação na OCDE.

O encerramento do primeiro dia será feito pelo Presidente Marcelo Rebelo de Sousa e a abertura do segundo dia pelo presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues.

A entrada é livre.

Veja aqui o programa:

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...