"Sou um tipo maluco". Revelada a conversa entre ladrão de avião e torre de controlo

Funcionário de companhia aérea roubou avião vazio do aeroporto de Seattle e descolou, tendo-se despenhado pouco tempo depois.

Após o funcionário de uma companhia área ter roubado esta sexta-feira um avião vazio da pista do aeroporto de Seattle, levantado voo e se ter despenhado pouco tempo depois, o jornal Seattle Times divulgou os áudios da conversa entre o ladrão e a torre de controlo do aeroporto.

Rich, nome que os controladores utilizaram para se dirigir ao piloto suicida, mostrou-se animado e despreocupado, apenas lamentando que o combustível "tenha sido consumido mais rápido que o que esperava" enquanto na torre de controlo o tentavam convencer a aterrar.

"Há uma pista do lado direito a aproximadamente uma milha (1609 metros)", indicavam os controladores, referindo-se à base aérea do Exército Lewis-McChord. "Vou magoar-me se aterrar lá. Provavelmente têm defesas antiaéreas", respondeu Rich, que ignorou as recomendação para "encontrar um lugar para aterrar de maneira segura" e comentou que as suas ações "provavelmente" o levariam a passar o resto da vida na prisão, uma ideia que a torre de controlo tentou desvalorizar: "Não nos vamos preocupar com isso, mas podes começar a virar para a esquerda por favor?"

Durante os minutos em que Rich permaneceu nos céus de Seattle, voltou a revelar boa disposição, apesar da inexperiência. "Achas que se eu aterrar com êxito a Alaska Airlines me vai contratar como piloto?", perguntou, não ficando sem resposta: "Acho que te dariam qualquer tipo de trabalho se o conseguires."

"Há muitas pessoas que se preocupam comigo. Eles ficarão desapontados ao saber que eu fiz isso. Gostaria de pedir desculpa a cada um deles. Sou um tipo maluco, com alguns parafusos soltos, acho. Nunca soube, até agora", disse Rich pouco antes de despenhar-se.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.