Diretor-executivo da Audi foi detido

Diretor-executivo da Audi terá eliminado provas na sequência do caso do escândalo de manipulação de emissões poluentes levada a cabo no Grupo Volkswagen

Rupert Stadler, o diretor-executivo da Audi, foi detido na Alemanha esta segunda-feira, segundo informações do Grupo Volkswagen.

"Confirmamos que o senhor Stadler foi detido esta manhã. O interrogatório para determinar se se ele vai continuar detido está a decorrer", disse o porta-voz da empresa-mãe da Audi.

Stadler foi detido na sequência do risco de eliminação de provas, segundo o procurador de Munique. O caso está ligado ao escândalo de manipulação de emissões poluentes levada a cabo no Grupo Volkswagen, também conhecido por 'dieselgate'.

Segundo informações de várias agências noticiosas, as autoridades de Munique já tinham revelado na última semana o facto de Stadler estar a ser investigado e efetuaram buscas na casa do diretor-executivo da marca alemã.

Stadler é suspeito de ter participado na fraude ligada a emissões de carros a gasóleo do Grupo Volkswagen, que vendeu veículos adulterados na Europa e nos Estados Unidos equipados com um software desenvolvido para alterar os registos das emissões poluentes. Este caso envolve 20 pessoas.

A Volkswagen tinha assumido a culpa no processo 'dieselgate' nos Estados Unidos, com dois responsáveis do grupo a cumprirem pena de prisão.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.