Diretor da polícia criminal detido por alegado desvio de 132 camiões cisterna em Huíla

Diretor-adjunto e dois oficiais do Serviço de Investigação Criminal foram detidos por estarem alegadamente implicados no desvio de quatro milhões de litros de combustível

As autoridades angolanas detiveram preventivamente o diretor-adjunto do Serviço de Investigação Criminal (SIC) na província da Huíla, Abel Wayaha, alegadamente implicado no caso, em investigação, do desvio de quatro milhões de litros de combustível de uma central térmica.

A informação foi divulgada hoje pelo procurador da República, Adão do Nascimento, acrescentando que a detenção ocorreu no âmbito da primeira fase da investigação a um grupo de trabalhadores da Sonangol, concessionária estatal do setor dos petróleos, da Prodel, empresa pública de produção de eletricidade, e agentes do SIC.

Além do diretor-adjunto, outros dois oficiais daquela polícia de investigação já foram igualmente detidos no âmbito deste processo, que já constituiu um total de 31 arguidos, só na primeira fase da investigação, de acordo com os dados hoje revelados.

Embora sem envolvimento direto no desvio do combustível, estes oficiais são suspeitos de terem recebido mais de seis milhões de kwanzas (31 mil euros) de subornos para libertarem detidos ou evitarem detenções de outros arguidos.

A Lusa noticiou em junho último que as autoridades angolanas estavam a investigar uma rede que terá desviado mais de quatro milhões de litros de combustível da central térmica do Lubango, província da Huíla, no sul do país, para depois ser revendido abaixo do preço oficial.

Na altura, o procurador junto do SIC na Huíla, Adão do Nascimento, explicou que as investigações já decorriam há dois meses e apontavam para um prejuízo superior a 571,7 milhões de kwanzas (três milhões de euros) só no gasóleo que terá sido desviado daquela central de produção elétrica.

A central térmica do Lubango é operada pela empresa pública angolana de Produção de Eletricidade (Prodel), tendo o procurador da República junto dos SIC apontado que 132 camiões cisterna com gasóleo terão sido desviados.

Integram este grupo suspeito pelo menos 29 pessoas, estando o total desviado avaliado em 4.235.000 de litros de gasóleo, combustível que é vendido atualmente em Angola a 135 kwanzas (70 cêntimos de euro) por litro, em regime de preço tabelado para todo o país.

Em contrapartida, o grupo transacionaria cada litro de gasóleo a 80 kwanzas (41 cêntimos) e operava numa base "premeditada", de acordo com o procurador Adão do Nascimento, citado pela imprensa local.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.