Diretor de campanha de Trump chega a acordo com a Justiça

Acordo de Paul Manafort com os procuradores pode representar más notícias para Donald Trump, ou para os seus próximos, caso o acordo envolva a investigação à interferência russa.

Paul Manafort, que desempenhou as funções de diretor de campanha de Donald Trump declarou-se culpado de duas acusações criminais na investigação do procurador especial Robert Mueller. O acordo pode vir a desempenhar uma peça central na investigação conduzida por Robert Mueller sobre a interferência russa na campanha presidencial e no alegado conluio com a campanha de Trump.

Manafort estava na famosa reunião de 2016 na Trump Tower, na qual russos fizeram uma oferta de alegados elementos negativos sobre Hillary Clinton.

Manafort declarou-se culpado de uma acusação de conspiração contra os Estados Unidos e de uma acusação de conspiração para obstruir a justiça.

Com este acordo, o advogado livra-se de um segundo julgamento no qual estava acusado de lavagem de dinheiro e de fraude fiscal por não ter registado os milhões de dólares enquanto agente político pró-russo na Ucrânia.

Não se sabe ainda se este acordo inclui a cooperação com as autoridades sobre a interferência russa.

Manafort, de 69 anos, já tinha sido condenado por fraude fiscal e poderá ter uma pena de oito a dez anos de prisão, independentemente deste acordo. No entanto, poderá beneficiar de um perdão presidencial.

No mês passado, Donald Trump elogiou Manafort por recusar um acordo judicial, como o ex-advogado do presidente, Michael Cohen.

"Sinto muito por Paul Manafort e pela sua família maravilhosa (...) Ao contrário de Michael Cohen recusou-se a "ceder" - inventar histórias para ter um "acordo". Grande admiração por este homem corajoso!", escreveu no Twitter.

O advogado trabalhou na campanha de Trump durante cinco meses, três dos quais como diretor.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.