Direita aplaude e esquerda critica letra de cantora para hino espanhol

Atuação de Marta Sánchez que interpretou a Marcha Real com uma letra da sua autoria reabre a polémica e revela divisão política.

Já são várias as tentativas de pôr letra no hino espanhol, todas elas sem sucesso por falta de consenso. No passado sábado a cantora Marta Sánchez surpreendeu todos quando interpretou o hino, com letra composta por ela própria, no Teatro da Zarzuela de Madrid. Foi a última canção do concerto que assinalava os 30 anos da sua carreira e emocionou todos os presentes. Ninguém estava à espera da surpresa da conhecida artista da pop espanhola e a sua atuação acabou por abrir de novo o debate nacional sobre o hino. A Marcha Real encontrou finalmente a sua letra?

"A letra do hino proposta por Marta Sánchez tem a seu favor a clareza, a facilidade de compreensão e a sua espontaneidade, não foi imposta. Além disso, pretende partilhar e provocar sentimentos mais além de preferências ou convicções políticas", explica ao DN Miguel Ángel Alegre Martínez, professor titular de Direito Constitucional na Universidade de León e coordenador do livro O Hino como Símbolo Político. O académico fica feliz pela boa aceitação geral que teve esta letra, que "incide no orgulho de ser espanhol, no apego e no sentido de fazer parte do próprio país", sublinha.

Veja aqui a atuação de Marta Sánchez:

Uma letra que não exclui ninguém e não vai contra ninguém, "por isso penso que podia cumprir a sua função integradora que deve caracterizar todo o símbolo político". Mas o docente reflete também sobre a dificuldade demonstrada até agora de encontrar uma letra para o hino porque "somos uma sociedade cada vez mais dividida, politizada e radicalizada". Acredita que o símbolo - a música do hino -, já existe e cumpre, teoricamente, a função integradora.

Como era de esperar, esta letra já tem defensores e detratores. E, como noutras ocasiões, gerou polémica. Tudo isto num contexto social e político delicado, com os últimos acontecimentos vividos na Catalunha a provocar o ressurgir de um sentimento patriótico.

O presidente do governo, Mariano Rajoy, gostou da letra e partilhou logo o vídeo da cantora na sua conta oficial de Twitter, e garantiu que "a imensa maioria dos espanhóis sente-se representada". O ministro de Interior, Juan Ignacio Zoido, disse ser "muito agradável" e o porta-voz do PP no Parlamento Europeu, Esteban González Pons, propôs na passada segunda-feira que seja Marta Sánchez a cantar na final da Taça do Rei o hino de Espanha. "Nós espanhóis precisamos de uma letra para o hino, é lógico", disse o eurodeputado. O líder do Ciudadanos, Albert Rivera, definiu a atuação da cantora como "valente e emocionante".

Mas nem todos gostaram da ideia de ficar com esta letra. Foi o caso por exemplo do PSOE para o qual "o hino espanhol não tem letra e pronto". Já o líder do Podemos, Pablo Iglesias, afirmou que prefere ser patriota "nos serviços públicos".

Eterna divisão?

A letra do hino vai criar sempre divisão política? "Penso que sim", afirma Miguel Ángel Alegre Martínez. E há o precedente de 2007, quando o Comité Olímpico Espanhol (COE), com a colaboração da Sociedade Geral de Autores de Espanha, "realizou uma espécie de concurso de ideias para escolher a letra". Entre milhares de propostas recebidas o júri escolheu uma letra que "depois deveria ser levada ao Parlamento e ser tramitada como iniciativa popular para ter carácter oficial". Mas depois da rejeição quase generalizada do texto, o COE retirou-o. "Penso que a chave para explicar os motivos pelos quais uma nova proposta de letra para o hino gera adesão ou divisão e recusa, está em elucidar se o símbolo político é pressuposto da consciência de pertença a uma comunidade e a um projeto político comum, ou vice-versa."

A letra vinda do coração

"Não fui nem valente nem ousada. Fui sentimental, fiz a letra com o coração", é como explica Marta Sánchez a sua composição escrita durante uma estada em Miami. Depois da agitação criada, a protagonista afirma estar "agradecida e emocionada". Se um dia a sua letra for o hino oficial espanhol, "poderia ir tranquila para o túmulo". Com o tempo, esta ou outra letra poderia ser cantada e interpretada em eventos desportivos ou fora deles e converter-se num símbolo com que todos os cidadãos se sentiriam identificados. Esse seria o momento de oficializar a letra.

Mas voltamos ao ponto de partida. Se não existir consenso e acordo entre os cidadãos e a classe política, "é melhor que o hino não tenha letra", afirma Miguel Ángel Alegre Martínez. "Não vale a pena incorporar uma letra para que depois seja recebido com vaias de cada vez que é interpretado."

Madrid

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.