Dinheiro para investigar desaparecimento de Maddie acaba no fim do mês

Polícia britânica pediu fundos para investigar por mais seis meses o desaparecimento de Maddie McCann, a pequena inglesa que desapareceu de um apartamento na Praia da Luz

No fim deste mês, a polícia britânica deixa de ter dinheiro para continuar a investigar o desaparecimento de Maddie McCann, a pequena inglesa que dormia num apartamento na Praia da Luz, em Lagos, em 3 de maio de 2007, para nunca mais voltar a ser vista, antecipa este domingo o jornal espanhol El País .

Segundo a imprensa britânica, já foram gastos mais de 12 milhões de euros e a Scotland Yard pediu que sejam atribuídos mais fundos financeiros para continuar a investigação por mais seis meses. A última injeção de dinheiro ocorreu em março, quando a polícia recebeu um financiamento complementar de mais 170 mil euros.

Desde o seu desaparecimento que não foi estabelecido o que terá acontecido realmente naquela noite de 3 de maio, há 11 anos. Os pais de Maddie acreditam que a criança, então com 4 anos, foi raptada.

A polícia portuguesa, que já encerrou a investigação há quatro anos, apontou várias pistas, sem nunca chegar a nenhuma conclusão - apesar do antigo inspetor da PJ Gonçalo Amaral, que dirigiu a investigação, ter defendido a culpabilidade dos pais, Gerry e Kate, mas o Ministério Público não acompanhou esta tese.

Maddie dormia num quarto na companhia de dois irmãos gémeos, no apartamento de um resort algarvio. Os pais jantavam com um grupo de amigos no restaurante do Ocean Club, a 50 metros do apartamento, quando a mãe, Kate, foi até ao quarto e constatou que a porta estava aberta e a filha mais velha tinha desaparecido.

Desde esse dia, Maddie nunca mais foi vista e apesar de, supostamente, ter sido avistada em muitas partes distintas do mundo, nenhuma pista se revelou consistente.

Em 2012, a polícia britânica atualizou o que seria o rosto da criança pequena, que tem uma marca na íris que não desaparece com a idade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.