Dinheiro para investigar desaparecimento de Maddie acaba no fim do mês

Polícia britânica pediu fundos para investigar por mais seis meses o desaparecimento de Maddie McCann, a pequena inglesa que desapareceu de um apartamento na Praia da Luz

No fim deste mês, a polícia britânica deixa de ter dinheiro para continuar a investigar o desaparecimento de Maddie McCann, a pequena inglesa que dormia num apartamento na Praia da Luz, em Lagos, em 3 de maio de 2007, para nunca mais voltar a ser vista, antecipa este domingo o jornal espanhol El País .

Segundo a imprensa britânica, já foram gastos mais de 12 milhões de euros e a Scotland Yard pediu que sejam atribuídos mais fundos financeiros para continuar a investigação por mais seis meses. A última injeção de dinheiro ocorreu em março, quando a polícia recebeu um financiamento complementar de mais 170 mil euros.

Desde o seu desaparecimento que não foi estabelecido o que terá acontecido realmente naquela noite de 3 de maio, há 11 anos. Os pais de Maddie acreditam que a criança, então com 4 anos, foi raptada.

A polícia portuguesa, que já encerrou a investigação há quatro anos, apontou várias pistas, sem nunca chegar a nenhuma conclusão - apesar do antigo inspetor da PJ Gonçalo Amaral, que dirigiu a investigação, ter defendido a culpabilidade dos pais, Gerry e Kate, mas o Ministério Público não acompanhou esta tese.

Maddie dormia num quarto na companhia de dois irmãos gémeos, no apartamento de um resort algarvio. Os pais jantavam com um grupo de amigos no restaurante do Ocean Club, a 50 metros do apartamento, quando a mãe, Kate, foi até ao quarto e constatou que a porta estava aberta e a filha mais velha tinha desaparecido.

Desde esse dia, Maddie nunca mais foi vista e apesar de, supostamente, ter sido avistada em muitas partes distintas do mundo, nenhuma pista se revelou consistente.

Em 2012, a polícia britânica atualizou o que seria o rosto da criança pequena, que tem uma marca na íris que não desaparece com a idade.

Ler mais

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."