Dilma Rousseff visitará hoje Lula da Silva

A presidente do Brasil irá fazer uma paragem em São Paulo, onde reside Lula da Silva, antes de seguir viagem para Porto Alegre

A presidente brasileira visita ainda hoje Lula da Silva na residência do seu antecessor, um dia após o ex-chefe de Estado ter sido ouvido pela polícia federal na maior investigação sobre corrupção no Brasil, indica a imprensa local.

Dilma Rousseff, segundo a cadeia de televisão Globo, irá fazer uma paragem em São Paulo antes de seguir viagem para Porto Alegre, onde se situa a residência particular e onde pensava passar o fim-de-semana sem compromissos oficiais.

Segundo a Globo, a presidente brasileira saiu de Brasília e, ao fazer escala em São Paulo, irá deslocar-se até São Bernardo do Campo, município da região metropolitana de São Paulo e onde reside Lula da Silva.

Cerca de 300 militantes do Partido dos Trabalhadores (PT) brasileiro (a que pertence Dilma e Lula), fizeram uma vigília hoje de madrugada defronte da residência do antigo presidente, tendo o número aumentado já de manhã.

A intenção é a de prestar apoio a Lula da Silva e, ao mesmo tempo, esperar a previsível visita de Dilma.

A presidência brasileira e o Instituto Lula, entidade orientada pelo ex-presidente e que serve de seu porta-voz, não confirmaram nem desmentiram o encontro, que ocorre um dia depois das investigações de corrupção no executivo.

Lula da Silva, um dos fundadores do PT e presidente do Brasil entre 2003 e 2010, foi ouvido sexta-feira pela polícia federal brasileira sobre o suposto envolvimento no escândalo de desvio de fundos da empresa petrolífera Petrobrás.

Após o interrogatório, Lula da Silva denunciou o que considera ser uma "perseguição" contra si e declarou-se "inocente" das acusações de branqueamento de capitais e de enriquecimento ilícito, assegurando que os seus opositores terão de derrotá-lo politicamente "mas nas ruas".

Dilma, por seu lado, enfrenta a possível abertura de um processo judicial com vista à sua destituição do cargo, possibilidade que tem vindo a ganhar cada vez maior força com o surgimento de escândalos de corrupção no Governo do PT e de políticos próximos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.