Dilma: gravação deixa "evidente" carácter "golpista" do impeachment

Presidente suspensa considera que o impeachment foi estratégia para parar investigações da operação Lava Jato

A Presidente brasileira com mandato suspenso, Dilma Rousseff, afirmou, na segunda-feira à noite, que os áudios divulgados do ministro do Planeamento afastado, Romero Jucá, deixam "evidente" o carácter "golpista" e "conspiratório" do seu processo de destituição.

"A gravação [...] mostra o ministro do Planeamento interino, Romero Jucá, defendendo o meu afastamento como sendo parte integrante, fundamental, de um pacto nacional, e tinha por objetivo interromper as investigações da Lava Jato. Deixa evidente o caráter golpista e conspiratório que caracteriza este processo de impeachment", afirmou.

Para a presidente com mandato suspenso, o episódio demonstrou que o processo de impeachment é a "melhor estratégia" para paralisar a Operação Lava Jato, que trata do maior esquema de corrupção no país e no qual Romero Jucá também é investigado.

Dilma Rousseff, que falava no IV Congresso Nacional dos Trabalhadores e Trabalhadoras na Agricultura Familiar do Brasil, em Brasília, prosseguiu: "Eles, que diziam que era para continuar a Lava Jato. Por trás, evitavam e tomavam todas as medidas para paralisá-la".

"Fui afastada por até 180 dias, para que seja julgado um pedido fraudulento. Um dos principais articuladores confessa involuntariamente 'sou golpista, somos golpistas e o golpe está em curso'", acrescentou.

Segundo a edição de segunda-feira do jornal Folha de São Paulo, em conversas ocorridas antes da votação do 'impeachment', Romero Jucá sugeriu ao ex-presidente da Transpetro (empresa subsidiária da Petrobrás), Sérgio Machado, que uma "mudança" no governo resultaria num pacto para "estancar a sangria" representada pela Lava Jato.

Segunda-feira de manhã, Romero Jucá justificou que se referia a "estancar a sangria da economia" e, mais tarde, decidiu suspender funções até que o Ministério Público Federal apresente um parecer sobre os áudios divulgados e gravados de forma oculta.

Dilma Rousseff criticou ainda o Presidente interino, Michel Temer, afirmando que o "presidente provisório" não foi autorizado pelo povo a "mexer" em programas sociais e "diminui-los".

"Não podemos deixar que isso aconteça", defendeu, dando o exemplo da unificação dos ministérios do Desenvolvimento Social e do Desenvolvimento Agrário.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".