Países europeus do sul gastam "todo o dinheiro em copos e mulheres"

Presidente do Eurogrupo recusou-se a pedir desculpas pelo que disse. "Deve haver responsabilidades", argumenta

O presidente do Eurogrupo e ministro das Finanças holandês, Jeroen Dijsselbloem, disse numa entrevista, publicada esta segunda-feira num jornal alemão, que os europeus do sul gastam "todo o dinheiro em copos e mulheres" e depois pedem ajuda.

"Durante a crise do euro, os países do Norte mostraram-se solidários com os países afetados pela crise. Como social-democrata, atribuo à solidariedade uma importância excecional", disse Dijsselbloem ao jornal Frankfurter Allgemeine.

"Contudo, quem pede [ajuda] também tem obrigações. Não posso gastar todo o dinheiro em copos e mulheres e pedir-te que me ajudes", afirmou.

Esta terça-feira, membros do parlamento europeu abordaram as declarações de Dijsselbloem, que consideraram "ofensivas" e "vulgares", segundo o Financial Times.

Confrontando com as críticas, o presidente do Eurogrupo disse que não iria pedir desculpas e afirmou que estava a falar sobre a importância da solidariedade na entrevista.

"A minha frase queria deixar absolutamente claro o que a solidariedade significa para mim", afirmou Dijsselbloem em sua defesa. "Sou um social-democrata e valorizo muito o princípio da solidariedade na Europa, mas deve sempre vir com compromissos e esforços para fazer o máximo que um país pode fazer para reforçar a sua posição".

"Deve haver responsabilidades", continuou, segundo o El Mundo. "Essa foi a minha opinião na entrevista".

Outros deputados não ficaram satisfeitos com a resposta e continuaram a exigir um pedido de desculpas. "Dijsselbloem ofendeu os países do sul e as mulheres com a sua declaração racista e machista. Deve desculpar-se ou deixar o seu cargo, já não é neutro", disse o deputado espanhol Esteban González Pons.

O cargo de Dijsselbloem está nas mãos dos países da zona euro, como admitiu esta segunda-feira em Bruxelas o presidente do Eurogrupo. Isto porque em breve será nomeado um novo ministro das Finanças holandês.

"Como sabem, o meu mandato vai até janeiro [de 2018] e a formação de um novo governo de coligação na Holanda pode levar alguns meses. Ainda é muito cedo para dizer se vai haver um hiato entre a chegada do novo ministro e o final do meu mandato", salientou Jeroen Dijsselbloem.

Contudo, Dijsselbloem disse que "nesse caso, se houver um intervalo temporal" entre a entrada em funções de um novo ministro e o final do seu mandato, "caberá ao Eurogrupo decidir como quer proceder".

Várias fontes europeias consideram altamente improvável que Dijsselbloem permaneça à frente do Eurogrupo uma vez perdido o cargo de ministro das Finanças holandês.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.