Di Maio revela eventual governo e põe um professor à frente da Economia

Movimento 5 Estrelas quer refutar acusações de ser inexperiente para governar. Mulheres à frente da Defesa, Diplomacia e Interior

"Andrea Roventini tem a mesma idade que [o presidente francês Emmanuel] Macron, mas já escreveu artigos com o vencedor de um Nobel [Joseph] Stiglitz. Com ele vamos voltar a uma política expansiva." Foi assim que o líder do Movimento 5 Estrelas (M5E), Luigi Di Maio, apresentou o professor universitário de 40 anos que, caso vença as eleições italianas de domingo e forme governo, será o ministro da Economia. É mais um nome do seu eventual executivo, destinado a provar que o M5E tem experiência para governar - Di Maio tem 31 anos e essa é uma crítica recorrente.

"Não estamos a propor um governo de tecnocratas. As pessoas que escolhemos põem o corpo e a alma em tudo o que fazem. Sabem do que falam", disse Di Maio. "Desafio os outros a fazer melhor."A última sondagem dava-lhe 28% das intenções de voto, insuficiente para ter a maioria e governar. Roventini, professor de Economia na Escola de Estudos Avançados de Sant"Anna, é o escolhido para a Economia, estando "no top 10 de economistas do mundo", segundo Di Maio. Mas não é o único professor universitário no governo do M5E. O economista Pasquale Tridico é o escolhido para o Trabalho, Giusseppe Conte fica com a Administração Pública, e Lorenzo Fioramonti, que ensina Economia Política em Pretória, com o Desenvolvimento Económico.

O general Sergio Costa, dos Carabinieri (polícia militar), fica com o Ambiente. Domenico Fioravanti, nadador que ganhou duas medalhas de ouro nos Olímpicos de Sidney, com o Desporto. A Saúde ficará nas mãos do médico Armando Bertolazzi, enquanto a Educação nas do diretor do Instituto Majorana, Salvatore Giuliano. Alessandra Pesce será ministra da Agricultura, tendo um longo currículo nessa área.

Di Maio quer também pôr mulheres à frente das pastas da Diplomacia, Interior e Defesa. No primeiro caso, a escolhida é a professora de Sociologia Política Emanuela Del Re, enquanto a criminologista Paola Giannetakis ficará no Interior. Na Defesa, Elisabetta Trenta, vice-diretora do mestrado em Inteligência e Segurança Pública do Centro Militar de Estudos Estratégicos.

Exclusivos