Dezoito reféns libertados e três reclusos baleados em motim em prisão brasileira

O motim começou no decurso de uma ação de contagem de reclusos, quando alguns deles, na posse de armas de fogo, abordaram guardas prisionais.

Dezoito reféns foram libertados e três reclusos baleados numa operação policial na sequência de um motim numa prisão no estado do Rio de Janeiro, no Brasil, informa o portal de notícias da Globo, G1.

O G1 refere que um total de 18 reféns, incluindo oito guardas prisionais, ficaram em poder de reclusos do estabelecimento prisional Milton Dias Moreira, em Japeri, na Baixada Fluminense, acabando por ser libertados entre a noite de domingo e a madrugada desta segunda-feira.

"Segundo a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap), não há mais reféns em poder dos reclusos e três armas que estavam com os presos foram entregues", adianta a mesma fonte, referindo que, antes da libertação dos reféns, o Grupo de Intervenção Tática entrou na prisão e três reclusos foram baleados.

Transportados ao hospital, estão com "quadro de saúde estável", esclarece.

O motim começou no decurso de uma ação de contagem de reclusos, quando alguns deles, na posse de armas de fogo, abordaram guardas prisionais.

A rebelião aconteceu no mesmo dia em que a Secretaria de Administração Penitenciária informou que antecipou "medidas de controle" para evitar eventuais reações da população prisional à intervenção federal na cidade do Rio de Janeiro, anunciada pelo presidente brasileiro, Michel Temer, que inclui a transferência da segurança para o Exército.

A secretaria não explica quais foram as medidas, mas, segundo o jornal O Globo, foi decretado alerta máximo nas 54 unidades prisionais do estado, onde estão presas 51 mil pessoas.

O estabelecimento prisional Milton Dias Moreira tem capacidade para 884 reclusos, mas tinha em janeiro último 2.027.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.