Dezoito reféns libertados e três reclusos baleados em motim em prisão brasileira

O motim começou no decurso de uma ação de contagem de reclusos, quando alguns deles, na posse de armas de fogo, abordaram guardas prisionais.

Dezoito reféns foram libertados e três reclusos baleados numa operação policial na sequência de um motim numa prisão no estado do Rio de Janeiro, no Brasil, informa o portal de notícias da Globo, G1.

O G1 refere que um total de 18 reféns, incluindo oito guardas prisionais, ficaram em poder de reclusos do estabelecimento prisional Milton Dias Moreira, em Japeri, na Baixada Fluminense, acabando por ser libertados entre a noite de domingo e a madrugada desta segunda-feira.

"Segundo a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap), não há mais reféns em poder dos reclusos e três armas que estavam com os presos foram entregues", adianta a mesma fonte, referindo que, antes da libertação dos reféns, o Grupo de Intervenção Tática entrou na prisão e três reclusos foram baleados.

Transportados ao hospital, estão com "quadro de saúde estável", esclarece.

O motim começou no decurso de uma ação de contagem de reclusos, quando alguns deles, na posse de armas de fogo, abordaram guardas prisionais.

A rebelião aconteceu no mesmo dia em que a Secretaria de Administração Penitenciária informou que antecipou "medidas de controle" para evitar eventuais reações da população prisional à intervenção federal na cidade do Rio de Janeiro, anunciada pelo presidente brasileiro, Michel Temer, que inclui a transferência da segurança para o Exército.

A secretaria não explica quais foram as medidas, mas, segundo o jornal O Globo, foi decretado alerta máximo nas 54 unidades prisionais do estado, onde estão presas 51 mil pessoas.

O estabelecimento prisional Milton Dias Moreira tem capacidade para 884 reclusos, mas tinha em janeiro último 2.027.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.