Dezenas reclamam que "eleição sem Lula é fraude" em Lisboa

Protesto foi organizado pelo Coletivo Andorinha - Frente Democrática de Brasileiros em Lisboa

Algumas dezenas de brasileiros defenderam hoje à tarde em Lisboa que eventuais eleições presidenciais sem Lula da Silva como candidato são uma fraude. O protesto "em defesa da democracia no Brasil", que decorreu na praça Luís de Camões, foi organizado pelo Coletivo Andorinha - Frente Democrática de Brasileiros em Lisboa e pelo Núcleo do Partido dos Trabalhadores de Lisboa.

"Pisa ligeiro, pisa ligeiro, que não pode com formiga não assanha o formigueiro", cantaram os presentes. "Fora Temer. Pela democracia", gritaram. "Contra o fascismo", "Cadê as provas" ou "Condenar Lula é calar o povo", lia-se nos cartazes.

"Compreendendo que a judiciarização da política tem levado ao Estado de Excepção, fica claro que estar contra o reconhecimento da inocência de Lula e seu direito a concorrer à Presidência significa estar contra a Democracia, e por isso, estaremos em Lisboa em defesa da retomada do Estado de Direito no Brasil", lia-se na convocatória da manifestação.

Esta quarta-feira, o ex-presidente brasileiro conhecerá a decisão do tribunal de segunda instância de Porto Alegre. O coletivo de três juízes terá que decidir se mantém ou anula a condenação e a sentença de Lula, condenado a nove anos e meio de prisão em primeira instância, pelo juiz Sérgio Moro, por ter recebido da empresa de construção OAS um tríplex na cidade do Guarujá em troca de favorecer os contratos da empresa com a Petrobras.

Se a sentença for ratificada, a eventual candidatura de Lula às presidenciais de outubro poderá ser inviabilizada, embora a decisão final ainda tenha que ser tomada pela lei eleitoral.

No Brasil, decorrem dezenas de protestos, o maior dos quais em Porto Alegre

Exclusivos

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.