Ataques talibãs no oeste do Afeganistão fazem dezenas de mortos e feridos

Ataques foram reivindicados por Zabihullah Mujahid, o porta-voz dos talibãs

Ataques talibãs mataram e feriram hoje dezenas de polícias na capital da província de Farah, no oeste do Afeganistão, perto da fronteira com o Irão, anunciaram as autoridades afegãs.

De acordo com o chefe do conselho provincial de Farah, Fared Bakhtawer, "vários postos de segurança na cidade foram invadidos por talibãs, estando em curso um intenso tiroteio".

O responsável não avançou o número de mortos ou feridos, mas disse que as baixas "são altas entre as forças de segurança".

Os combates foram confirmados pelo governador da província, Abdul Basir Salangi. "Uma intensa batalha está a acontecer na cidade", declarou, sem pormenores.

Os órgãos de comunicação locais descreveram uma cidade 'vazia', com lojas, escolas e escritórios fechados, enquanto "as pessoas estão escondidas dentro de casa".

Um parlamentar da província de Farah, Mohammad Sarwar Osmani, afirmou que os pontos estratégicos de segurança foram invadidos pelos talibãs "em toda a cidade", e que os combatentes estavam já perto da sede da polícia e dos escritórios do governador.

O porta-voz dos talibãs, Zabihullah Mujahid, reivindicou os ataques.

O Ministério da Defesa afegão disse, num comunicado entretanto divulgado, que as forças de segurança afegãs conseguiram repelir os ataques.

Nos últimos meses, a província de Farah, que faz fronteira com a província de Helmand, onde os talibãs controlam vários distritos, tem sido palco de várias batalhas entre as forças de segurança afegãs e combatentes extremistas.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?