Ataques talibãs no oeste do Afeganistão fazem dezenas de mortos e feridos

Ataques foram reivindicados por Zabihullah Mujahid, o porta-voz dos talibãs

Ataques talibãs mataram e feriram hoje dezenas de polícias na capital da província de Farah, no oeste do Afeganistão, perto da fronteira com o Irão, anunciaram as autoridades afegãs.

De acordo com o chefe do conselho provincial de Farah, Fared Bakhtawer, "vários postos de segurança na cidade foram invadidos por talibãs, estando em curso um intenso tiroteio".

O responsável não avançou o número de mortos ou feridos, mas disse que as baixas "são altas entre as forças de segurança".

Os combates foram confirmados pelo governador da província, Abdul Basir Salangi. "Uma intensa batalha está a acontecer na cidade", declarou, sem pormenores.

Os órgãos de comunicação locais descreveram uma cidade 'vazia', com lojas, escolas e escritórios fechados, enquanto "as pessoas estão escondidas dentro de casa".

Um parlamentar da província de Farah, Mohammad Sarwar Osmani, afirmou que os pontos estratégicos de segurança foram invadidos pelos talibãs "em toda a cidade", e que os combatentes estavam já perto da sede da polícia e dos escritórios do governador.

O porta-voz dos talibãs, Zabihullah Mujahid, reivindicou os ataques.

O Ministério da Defesa afegão disse, num comunicado entretanto divulgado, que as forças de segurança afegãs conseguiram repelir os ataques.

Nos últimos meses, a província de Farah, que faz fronteira com a província de Helmand, onde os talibãs controlam vários distritos, tem sido palco de várias batalhas entre as forças de segurança afegãs e combatentes extremistas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.