Dezenas de militares turcos condenados a prisão perpétua

Um tribunal turco condenou 72 militares à prisão perpétua pela participação em confrontos que resultaram na morte de 34 pessoas na noite do fracassado golpe de 2016. Outros tantos podem conhecer o mesmo destino nos próximos dias.

Setenta e dois militares, incluindo um tenente-coronel, foram considerados culpados de "tentar derrubar a ordem constitucional" e sentenciados à prisão perpétua.

Segundo a agência de notícias Anadolu, outros 27 arguidos foram condenados a mais de 15 anos de prisão por "cumplicidade na tentativa de derrubar a ordem constitucional", segundo o comunicado do veredicto, três dias antes da comemoração do segundo aniversário do golpe fracassado.

Este julgamento é um dos muitos processos judiciais em curso após a tentativa de golpe de 15 a 16 de julho de 2016 para derrubar o presidente Recep Tayyip Erdogan.

Espera-se que mais sentenças sejam emitidas para 71 outros arguidos do caso. Estão acusados de matar deliberadamente civis que responderam aos apelos de Erdogan para desafiar os golpistas numa das três pontes sobre o estreito de Bósforo.

Na noite de 15 a 16 de julho, dezenas de soldados apoiados por tanques assumiram o controlo da ponte do Bósforo por várias horas, matando civis que marchavam sobre eles para protestar.

De acordo com a acusação, 32 civis e dois polícias que se opuseram aos golpistas foram mortos na ponte, que foi rebatizada de Ponte dos Mártires de 15 de julho.

Ancara aponta o dedo ao clérigo Fethullah Gulen, exilado nos Estados Unidos há duas décadas. Este nega qualquer envolvimento, o que é secundado por um relatório da agência de partilha de informações europeias, Intcen. O mesmo documento conclui que Erdogan aproveitou o golpe para alargar o seu poder e livrar-se da oposição.

Gulen, como outros opositores, acusa Erdogan de ter estado por trás do golpe. O grupo oposicionista Stockolm Center for Freedom corrobora essa ideia num relatório.

As autoridades turcas desencadearam purgas contra supostos seguidores de Gulen, bem como opositores pró-curdos e jornalistas.

Desde o fracasso do golpe, cerca de 77 mil pessoas foram presas e mais de 150 mil foram demitidas ou suspensas das suas funções no aparelho de Estado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.