Dezenas de militares turcos condenados a prisão perpétua

Um tribunal turco condenou 72 militares à prisão perpétua pela participação em confrontos que resultaram na morte de 34 pessoas na noite do fracassado golpe de 2016. Outros tantos podem conhecer o mesmo destino nos próximos dias.

Setenta e dois militares, incluindo um tenente-coronel, foram considerados culpados de "tentar derrubar a ordem constitucional" e sentenciados à prisão perpétua.

Segundo a agência de notícias Anadolu, outros 27 arguidos foram condenados a mais de 15 anos de prisão por "cumplicidade na tentativa de derrubar a ordem constitucional", segundo o comunicado do veredicto, três dias antes da comemoração do segundo aniversário do golpe fracassado.

Este julgamento é um dos muitos processos judiciais em curso após a tentativa de golpe de 15 a 16 de julho de 2016 para derrubar o presidente Recep Tayyip Erdogan.

Espera-se que mais sentenças sejam emitidas para 71 outros arguidos do caso. Estão acusados de matar deliberadamente civis que responderam aos apelos de Erdogan para desafiar os golpistas numa das três pontes sobre o estreito de Bósforo.

Na noite de 15 a 16 de julho, dezenas de soldados apoiados por tanques assumiram o controlo da ponte do Bósforo por várias horas, matando civis que marchavam sobre eles para protestar.

De acordo com a acusação, 32 civis e dois polícias que se opuseram aos golpistas foram mortos na ponte, que foi rebatizada de Ponte dos Mártires de 15 de julho.

Ancara aponta o dedo ao clérigo Fethullah Gulen, exilado nos Estados Unidos há duas décadas. Este nega qualquer envolvimento, o que é secundado por um relatório da agência de partilha de informações europeias, Intcen. O mesmo documento conclui que Erdogan aproveitou o golpe para alargar o seu poder e livrar-se da oposição.

Gulen, como outros opositores, acusa Erdogan de ter estado por trás do golpe. O grupo oposicionista Stockolm Center for Freedom corrobora essa ideia num relatório.

As autoridades turcas desencadearam purgas contra supostos seguidores de Gulen, bem como opositores pró-curdos e jornalistas.

Desde o fracasso do golpe, cerca de 77 mil pessoas foram presas e mais de 150 mil foram demitidas ou suspensas das suas funções no aparelho de Estado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)