Milhares nas ruas contra o aumento da idade da reforma na Rússia

Dezenas de milhares de russos participaram este sábado em manifestações organizadas em todo o país pelo Partido Comunista contra o projeto de aumento da idade da reforma.

Em Moscovo, 100 mil pessoas, segundo os organizadores, e cerca de 10 mil, segundo os jornalistas, participaram numa concentração autorizada pelas autoridades russas contra o aumento da idade da reforma que está a ser discutido no parlamento.

Nas ruas de Moscovo, a multidão gritava slogans como "Putin, não toques nas nossas reformas!" e mostrava cartazes com frases como: "Nós queremos viver das nossas reformas e não morrer no trabalho!".

Diversas manifestações realizaram-se também em dezenas de outras cidades, desde o Extremo Oriente até à Sibéria e à Rússia ocidental.

Em São Petersburgo, a segunda maior cidade do país do país, cerca de mil pessoas reuniram-se empunhando bandeiras vermelhas, algumas delas com retratos de Estaline.

Em Novosibirsk, na Sibéria Ocidental, a agência estatal de notícias Tass deu conta de 1.200 manifestantes, citando a Câmara Municipal local.

A discordância em relação a uma medida apoiada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, também foi expressa recorrendo a uma petição na internet, que recolheu 2,9 milhões de assinaturas, onde se exige o fim do projeto de aumento da idade da reforma.

O Partido Comunista, que muitas vezes é complacente com as posições do Kremlin, também se opõe a esta medida que está em discussão no Parlamento.

Putin, que não falou sobre a questão das pensões durante a campanha que o levou à reeleição, em março, viu seu índice de popularidade cair para 64% em julho, contra 80% em maio, segundo o centro russo de estudos de opinião (VTsIOM).

"Muitos acreditaram quando Putin disse que não haveria reforma das pensões, mas era demagogia, estou muito desapontado com ele", disse Irina Ivanova, uma manifestante de 49 anos, em São Petersburgo.

O projeto em discussão no Parlamento pretende aumentar gradualmente a idade da reforma para 63 anos para as mulheres e para 65 para homens, contra os 55 e 60 atuais.

O líder da oposição, Alexei Navalny, pediu, por sua vez, aos seus partidários que participem numa manifestação em Moscovo no domingo à tarde.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).