Dezenas de detidos em terceira noite de protestos em Saint Louis

Centenas têm protestado desde que um juiz decidiu absolver um polícia pelo homicídio de um jovem negro

A polícia de Saint Louis, no estado norte-americano do Missouri (centro-oeste), deteve no domingo dezenas de pessoas, depois de manifestações pacíficas se terem transformado em vandalismo pela terceira noite consecutiva. Segundo a Reuters, mais de 80 pessoas foram detidas este domingo.

Mais manifestantes são esperados hoje, três dias depois de um juiz ter absolvido o antigo agente da polícia de St. Louis Jason Stockley, de 36 anos, de homicídio premeditado de Anthony Lamar Smith, um jovem negro de 24 anos, em 2011.

Centenas de pessoas têm-se reunido todos os dias desde o anúncio para criticar a decisão do juiz e exigir a equidade racial.

As manifestações não foram violentas durante o dia, mas grupos de menor dimensão que permanecem à noite no local partiram janelas e atiraram objetos contra a polícia nas últimas três noites.

Autocarros que transportavam polícias de choque equipados chegaram na noite de domingo perto da baixa da cidade, onde a polícia disse que foram registados danos significativo.

Um polícia ficou ferido numa perna.

Dez polícias norte-americanos foram hospitalizados na sexta-feira à noite na sequência de confrontos com manifestantes no centro de Saint Louis, segundo as autoridades.

A multidão foi aumentando ao longo do dia, com os manifestantes a entoarem cânticos e a empunharem cartazes em que se podia ler "Black Lives Matter" (Vidas negras importam).

Stockley alvejou Lamar Smith cinco vezes depois de uma perseguição numa autoestrada, afirmando ter visto Smith a segurar uma arma antes do início da perseguição.

Em 2013, Stockley deixou a polícia e mudou-se para Houston.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.