Dezenas de detidos em terceira noite de protestos em Saint Louis

Centenas têm protestado desde que um juiz decidiu absolver um polícia pelo homicídio de um jovem negro

A polícia de Saint Louis, no estado norte-americano do Missouri (centro-oeste), deteve no domingo dezenas de pessoas, depois de manifestações pacíficas se terem transformado em vandalismo pela terceira noite consecutiva. Segundo a Reuters, mais de 80 pessoas foram detidas este domingo.

Mais manifestantes são esperados hoje, três dias depois de um juiz ter absolvido o antigo agente da polícia de St. Louis Jason Stockley, de 36 anos, de homicídio premeditado de Anthony Lamar Smith, um jovem negro de 24 anos, em 2011.

Centenas de pessoas têm-se reunido todos os dias desde o anúncio para criticar a decisão do juiz e exigir a equidade racial.

As manifestações não foram violentas durante o dia, mas grupos de menor dimensão que permanecem à noite no local partiram janelas e atiraram objetos contra a polícia nas últimas três noites.

Autocarros que transportavam polícias de choque equipados chegaram na noite de domingo perto da baixa da cidade, onde a polícia disse que foram registados danos significativo.

Um polícia ficou ferido numa perna.

Dez polícias norte-americanos foram hospitalizados na sexta-feira à noite na sequência de confrontos com manifestantes no centro de Saint Louis, segundo as autoridades.

A multidão foi aumentando ao longo do dia, com os manifestantes a entoarem cânticos e a empunharem cartazes em que se podia ler "Black Lives Matter" (Vidas negras importam).

Stockley alvejou Lamar Smith cinco vezes depois de uma perseguição numa autoestrada, afirmando ter visto Smith a segurar uma arma antes do início da perseguição.

Em 2013, Stockley deixou a polícia e mudou-se para Houston.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.